Archive for janeiro \28\UTC 2010

HISTÓRIAS CONTADAS E CANTADAS

28/01/2010

ADYEL SILVA, ALAÍDE COSTA, ARÍCIA MESS, ÁUREA MARTINS, ELIANA PITTMAN, GRAÇA CUNHA, IVETE SOUZA, IZZI GORDON, LEILA MARIA, MISTY, ROSA MARYA COLIN, VIRGÍNIA ROSA, ZEZÉ MOTTA… POR MEIO DOS DEPOIMENTOS DESSAS 13 CANTORAS , JORNALISTA REVELA O UNIVERSO MUSICAL DE MULHERES QUE QUISERAM
SEGUIR CAMINHOS ALÉM DO ÓBVIO

Raça Brasil – Amilton Pinheiro / fotos Divulgação

“O livro Solistas Dissonantes: História (oral) de cantoras negras (Editora Letra e Voz), fruto de uma dissertação do curso de História da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da Universidade de São Paulo (USP), desenvolvida por Ricardo Santhiago entre 2006 e 2009, traz depoimentos de cantoras negras brasileiras da segunda metade do século XX, que falam sobre suas vidas e como conduziram suas carreiras. Impressionante é que o autor conseguiu extrair desses relatos não só fragmentos contundentes e humanos da vida de mulheres com vozes poderosas, mas, principalmente, uma constatação: que as opções artísticas dessas cantoras negras impuseram e elas uma mobilidade e visibilidade menores na música brasileira e na sociedade. “Não foram ingênuas; foram conscientes. Não lamentaram, apenas se movimentaram”, conta Ricardo Santhiago.

Você observou que as cantoras negras entrevistadas sofriam três tipos de preconceito da indústria fonográfica: por ser mulher, por ser negra e por cantarem gêneros não usuais para as suas condições étnicas. Sofreram com a falta de visibilidade por insistirem em seus repertórios. Quais os outros preços que elas tiveram de pagar?
O primeiro deles diz respeito à própria mobilidade de que elas dispõem no cenário cultural brasileiro. Claro que todas são artistas consagradas e respeitadas, mas o caminho até aí foi (e ainda é) cheio de pedras. O segundo preço se coloca de forma mais sutil e, por conseguinte, mais perniciosa: suspeito que estas cantoras tenham tido mais dificuldade de inscrever suas reivindicações…” (Leia e comente)

Anúncios

METRÓPOLES VULNERÁVEIS

27/01/2010

AS BAIXADAS LITORÂNEAS DO RIO DE JANEIRO E OS LEITOS DOS RIOS TIETÊ E PINHEIROS, EM SÃO PAULO, SÃO AS REGIÕES MAIS SUSCETÍVEIS AOS IMPACTOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS
NAS DUAS CAPITAIS.

Ciência Hoje – Júlia Faria

“Regiões do Rio de Janeiro e de São Paulo que já sofrem com inundações, sobretudo na época de verão, devem ser ainda mais castigadas com a intensificação do aquecimento global. É o que revelam os resultados preliminares de um mapeamento feito nas duas metrópoles. Segundo o levantamento, que considera cenários climáticos futuros, as baixadas litorâneas do Rio de Janeiro e as marginais dos rios Tietê e Pinheiros na capital paulista serão as áreas mais afetadas. As mudanças climáticas, associadas à ocupação irregular do solo, podem agravar os efeitos de chuvas fortes e ventanias nessas localidades…” (Leia e comente)

LITERATURA: BARBUDOS CRETINOS E SUAS HISTÓRIAS CANALHAS

24/01/2010

Portal Literal – Folhetim pulp. Escrito por Ana Paula Maia.

“O lixo está por todo lugar e são de várias espécies: atômico, espacial, especial, hospitalar, industrial, radioativo, orgânico e inorgânico; mas Erasmo Wagner só conhece uma espécie de lixo. Aquele que é jogado pra fora de casa. A imundície, o podre, o azedo e o estragado. O que não presta pra mais ninguém. E serve apenas para os urubus, ratos, cães, e pra gente como ele. Trabalha no caminhão de lixo parte do dia. Larga às quatro da tarde. Conhece o conteúdo de alguns sacos só pelo cheiro, formato e peso. Já teve tétano. Já teve tuberculose. Já foi mordido por rato e picado por urubu. Conhece a peste, o espanto e o horror; por isso é ideal pra profissão que exerce.

Revende em casa aquilo que acha em bom estado: Colchão, estrado de cama, vaso sanitário, portas, armários, grades, cofres, cadeiras, canos e o que mais puder ser aproveitado. Lucra metade de seu salário com a venda do lixo.

Não pensa nos miseráveis dos aterros sanitários que também poderiam lucrar com o que há de melhor no lixo. Ele realmente não se importa. Assim, como quem está acima dele, não se importa também. Na escala decrescente de famintos e degenerados, ele ocupa um posto pouco acima dos miseráveis. É como levar um tiro de raspão…” (Leia e comente)

TÉCNICA DESENVOLVIDA NA USP PROMETE MINIMIZAR A APARÊNCIA DE CICATRIZES

24/01/2010

TRATAMENTO JÁ FOI TESTADO COM SUCESSO EM PACIENTES

Correio Brasiliense

“As cicatrizes são lembranças muito concretas de cirurgias ou de acidentes, mas não precisam ser eternas. A laserterapia — técnica usada por médicos, fisioterapeutas e dentistas no tratamento de lesões e inflamações — tem alcançado resultados promissores em procedimentos que minimizam as marcas dessas lesões na pele. Pesquisa recente da Universidade de São Paulo (USP) comprovou a eficácia do laser infravermelho em processos de cicatrização após uma cirurgia de hérnia inguinal.

O estudo foi conduzido na Faculdade de Medicina pelo fisioterapeuta Rodrigo Carvalho. A equipe de pesquisa contou com 28 pacientes, divididos em dois grupos: o experimental, que recebeu a terapia com laser, e o de controle, que não se submeteu ao tratamento. Segundo o pesquisador, os resultados foram surpreendentes. “A espessura, a profundidade e a aparência das cicatrizes apresentaram melhoras significativas e, seis meses após a cirurgia, muitos pacientes apresentavam marcas quase imperceptíveis”, observa…” (Leia e comente)

OS FANTASMAS SE DIVERTEM

23/01/2010

Carta Capital – Cynara Menezes

“Entre o temor e a blague, os seguranças da Câmara dizem que o ambiente gélido, de ar-condicionado ligado noite e dia à custa do contribuinte, é propício ao surgimento dos rumores. Um conta ter ouvido passos no Salão Verde. Outro, ter avistado vultos esgueirando-se pelas galerias do plenário. O mais velho deles, com quase 30 anos de Casa, fica embaraçado de falar nessas coisas, mas jura ter escutado o microfone da presidência ligar sozinho na madrugada.

Seriam espíritos desassossegados de antigos deputados a registrar presença na falta dos vivos, acreditam os funcionários, especulando que em 2010 não faltará quorum – do outro mundo. Como este ano é eleitoral, presume-se que o Congresso estará como os fantasmas legislativos gostam, vazio, a maior parte do tempo. O recesso parlamentar termina em 1º de fevereiro, mas as principais lideranças da Câmara e do Senado admitem que será difícil achar vivalma por ali depois das festas juninas.

“Nós vamos trabalhar pelo menos até junho”, garante o presidente da Câmara, Michel Temer. “Reconheço que em julho, agosto e setembro, os meses que antecedem a eleição, é realmente complicado.” O primeiro-secretário do Senado, Heráclito Fortes, confirma. “No segundo semestre todos estarão dedicados às eleições. Sempre foi assim, é tradição no Brasil”,…” (Leia e comente)

VIREI SEM-TERRA E ENTREI NA FACULDADE

23/01/2010

COMO EU E 70 MIL JOVENS CONSEGUIMOS VAGA E DESCONTO NA UNIVERSIDADE ADERINDO A UMA ENTIDADE LIGADA A UM DEPUTADO DO PSDB E A UMA ALA DA IGREJA

Época – Mariana Sanches

“Quando entrei em um galpão do bairro da Lapa, em São Paulo, às 10 horas da manhã de uma quarta-feira, nada na fachada azul do prédio permitiria antever a mudança de status social que sofreria em poucos minutos. Eu, jornalista, nascida em São Paulo, sem aspiração de vida no campo ou engajamento na reforma agrária, precisei de apenas uma foto 3×4 e R$ 1para me transformar em sem-terra de carteirinha. Encontrei quase 50 jovens na sede da Associação dos Trabalhadores Sem Terra de São Paulo (ATST). Um deles desembarcara de um automóvel Audi. Todos queriam tirar a carteirinha da associação, passaporte para ingressar em cursos de graduação oferecidos por faculdades privadas paulistas com descontos de até 65%.

Sem alarde, a associação instalou nos bancos universitários 70 mil jovens, o equivalente a 12% do total de beneficiados pelo ProUni, o programa do governo federal de distribuição de bolsas em faculdades. A quantidade de universitários sem-terra seria o bastante para ocupar todas as vagas da Universidade de São Paulo (USP), a maior instituição de ensino público do Brasil. Apesar de usar em seu nome a expressão “sem-terra”, a ATST surgiu há 23 anos como um movimento de moradia urbano. Logo após a fundação, dissociou-se do PT, que influencia a maioria das entidades do gênero. Por trás de sua engrenagem estão instituições de ensino, uma ala conservadora da Igreja Católica e o deputado estadual Marcos Zerbini (PSDB-SP), que criou e dirige a…” (Leia e comente)

POVO SEM FRONTEIRAS

23/01/2010

BONFIM, EM RORAIMA, E LETHEM, NA GUIANA, VIVEM UM INTERCÂMBIO CULTURAL QUE EXTRAPOLA TRATADOS INTERNACIONAIS E FEITOS DA ENGENHARIA.

National Geographic – André Julião / Foto: Érico Hiller

“Michael Jackson está vivo, vivíssimo. Ele mora em Lethem, mas todos os dias vai à escola em Bonfim. Fala inglês com o pai, o guianense Billiey Jackson, e português com a mãe, a brasileira Rufina. Assim como seus irmãos, Joshua e Wanderson, ele cumprimenta os colegas de classe em português e os vizinhos em inglês. Michael é um típico morador da fronteira entre o Brasil e a Guiana; filho de um território que formalmente faz parte de dois países, mas que na prática é uma terra só – onde se falam português, inglês, crioulo, wapixana e macuxi. Onde as orações são para Jesus, Alá ou Brahma.

Bonfim e Lethem são duas cidades que compartilham do isolamento do restante de seus respectivos países – uma ao norte do Brasil, em Roraima; a outra no sul da Guiana. Em abril de 2009, a última barreira entre elas foi transposta com a abertura de uma ponte. A obra, financiada pelo governo brasileiro, deu passagem livre a quem precisava pagar para cruzar o rio Tacutu para tarefas simples como estudar ou fazer compras. Por mais que a população das duas cidades – pouco mais de 10 mil em Bonfim – já estivesse acostumada a conviver com o português e o inglês, o real e o dólar guianense, só agora existe uma ligação concreta do Brasil com o único país de língua inglesa da América do Sul…” (Leia e comente)

SÃO PAULO ADMITE TER DE USAR PROFESSOR REPROVADO EM EXAME

23/01/2010

Folha de S.Paulo – Fábio Takahashi

“A Secretaria da Educação de SP anunciou ontem (22) que poderá atribuir aulas a professores reprovados em seu processo de seleção para docentes temporários para a educação básica.

Dos temporários que já trabalharam na sala de aula (pouco menos da metade do total de docentes), 40% foram reprovados –não conseguiram acertar metade das 80 questões.

Segundo o secretário da Educação, Paulo Renato Souza, haverá dificuldades para preencher vagas em algumas escolas, principalmente para as matérias de física e matemática.

Ao justificar a possibilidade de convocar professores reprovados, o secretário afirmou que “a nossa prioridade é garantir aulas aos alunos”.

Os sindicatos do setor dizem que é quase certo que os abaixo da nota de corte sejam convocados, principalmente para atuar na periferia das cidades da Grande SP, onde o desempenho dos alunos já é mais baixo.

Ainda não é possível saber quantos dos reprovados terão de lecionar, pois o processo de distribuição de aulas não começou –primeiro escolhem os concursados; os temporários preenchem as aulas que faltam…” (Leia e comente)

O KINDLE BRASILEIRO

22/01/2010

EMPRESA DO RECIFE DESENVOLVE PRIMEIRO LEITOR DE LIVROS ELETRÔNICOS DO PAÍS PARA CONCORRER COM
EQUIPAMENTO DA AMAZON

Isto É Dinheiro – Rodrigo Caetano

“Terra de Manuel Bandeira, João Cabral de Melo Neto, Gilberto Freyre e muitos outros grandes escritores, Pernambuco está prestes a iniciar uma nova fase na literatura nacional. É de lá, mais precisamente de Recife, que será lançado o primeiro leitor de livro eletrônico (e-book) desenvolvido no Brasil. A empresa responsável pela criação do equipamento é a Mix Tecnologia. Em parceria com a editora Carpe Diem, também sediada na capital pernambucana, ela investiu R$ 1 milhão no projeto do Mix Leitor-D, que será lançado no primeiro semestre de 2010. O objetivo é competir no mercado nacional com o consagrado Kindle, da varejista virtual americana Amazon, e outros equipamentos similares de empresas como Sony e Fujitsu. A meta é atingir a marca de 150 mil equipamentos vendidos por ano.

O livro eletrônico, que usa uma tela que reduz a luminosidade e facilita a leitura, passa por um momento favorável no mercado. Segundo estimativas da empresa de investimentos Cowen & Co., desde que foi lançado, em 2007, foram comercializadas 2,5 milhões de unidades do Kindle. Na onda desse sucesso, a livraria americana Barnes & Noble também desenvolveu seu leitor de livros…” (Leia e comente)

GERAÇÃO ZAPPING: TÁ LIGADO?

22/01/2010

CRIANÇAS E JOVENS ESTÃO DESCOBRINDO NOVAS MANEIRAS DE ENTENDER O MUNDO E SE RELACIONAR COM BASE EM AVANÇOS TECNOLÓGICOS E TRANSFORMAÇÕES CULTURAIS

Mente e Cérebro Erane Paladino

Televisão, telefone, fone de ouvido, computador, MP3, Orkut, Twitter, Facebook, MSN, SMS. A conexão é on-line e os estímulos vêm de toda parte. No monitor do laptop ou no visor do celular incontáveis telas são abertas, reduzidas e fechadas em segundos. Surge uma nova linguagem, na qual a grafia das palavras é adaptada, simplificada, e prevalecem abreviações. A informação chega descontextualizada e truncada, inaugurando um novo jeito de compreender o mundo – e se relacionar, na horizontalidade do conhecimento – e caracterizando a chamada geração zapping (expressão de origem inglesa que se refere ao ato de mudar constantemente de canal).

Surge assim um novo jeito de pensar, graças à síntese de vários dados coletados de forma imediata e simultânea. O zapping tipifica justamente essa relação intensa e aparentemente inesgotável. Fragmentados os corpos, a informação e as relações, os jovens ficam à mercê dos estímulos, sem tempo para a introspecção e assimilação do bombardeio de conteúdos. O apelo ao mundo externo é intenso e vem de todos os lados…” (Leia e comente)