Archive for 7 de março de 2010

MELHORE A SUA VIDA COM GRATIDÃO

07/03/2010

A PARTIR DE HOJE

Seleções – David Hochman

“No primeiro dia do Mês da Gratidão que estipulei para mim mesmo, o meu filho de 5 anos acordou “entediado” às 5h15 da manhã, vi uma multa por excesso de velocidade na bolsa da minha mulher e o aquecedor deu o último suspiro na hora em que entrei no banho. Em geral, eu começaria a resmungar e o dia teria um péssimo início. Mas aquele dia foi diferente. Como são lindas as covinhas do meu filho, mesmo nessa hora infeliz. Como é encantador o espírito aventureiro da minha mulher. Faltam apenas 29 dias.

Uma semana antes, enquanto brigava com a sensação de que viera ao mundo para encher e esvaziar a lavadora de pratos, decidi que já era hora de dar fim aos resmungos automáticos. Mas não eram apenas as pequenas coisas que me atormentavam. De repente, os meus amigos vinham enfrentando adversidades: câncer, divórcio, demissão. Eu não deveria comemorar minha relativa boa sorte?

Já ouvira falar do benefício da gratidão. O que não entendia direito era como passar da rabugice à alegria transbordante. Em busca de dicas,…” (Leia e comente)

POEMA DA GRATIDÃO, DE AMÉLIA RODRIGUES


Anúncios

PAIS TÓXICOS

07/03/2010

LIVRO DE JUÍZA INGLESA HUMILHADA DESDE A INFÂNCIA PELA MÃE JOGA LUZ SOBRE PAIS QUE AGRIDEM FÍSICA E PSICOLOGICAMENTE OS FILHOS. AS SEQUELAS DOS MAUS-TRATOS PODEM SER IRREVERSÍVEIS

Isto É – Suzane G. Frutuoso

“Em 1966, a inglesa Constance Briscoe, então com 9 anos, chegou da escola exultante carregando um envelope marrom, que se apressou a entregar para a mãe, Carmem. Dentro dele, fotos que a menina havia tirado na escola. Ao olhar as imagens, Carmem repetia: “Jesus amado, eu que pus isso no mundo? Deus, como ela pode ser tão feia? Feia, feia… Você quer que eu compre essas fotos?”, perguntava à filha. Foi apenas uma das milhares de humilhações que a criança sofreu na infância. Ofensas como “vagabunda safada” foram constantes. Ela também era espancada por fazer xixi na cama, uma enurese que se manifestava justamente por causa do medo da violência materna. Socos na cabeça e no peito eram desferidos contra Constance e seus mamilos eram beliscados com força, sempre por motivos banais (ou sem motivo). A ponto de, aos 11 anos, ela tentar o suicídio bebendo água sanitária. Esse retrato de terror está no livro “Feia – A História Real de uma Infância sem Amor” (Ed. Bertrand), escrito por Constance, hoje uma renomada juíza. A obra, que já vendeu meio milhão de cópias em dezenas de países e tem tradução brasileira, é um exemplo de como aqueles que deveriam amar acima de tudo podem ser os algozes dos próprios filhos…” (Leia e comente)

ESPECIAL PARA VOCÊ

07/03/2010

Correio Brasiliense

“Nada como uma boa provocação. Desde 1º de fevereiro, instigamos vocês, leitoras e internautas, a mostrarem a cara, o jeito, as vontades, os desejos, as preocupações, os modelos que as inspiram no dia a dia. A intenção era conhecer um pouco mais a mulher brasiliense e, por meio deste canal interativo, obter subsídios para nos ajudar a fazer a edição especial dedicada ao Dia Internacional da Mulher, comemorado hoje.

Foi uma grata surpresa a resposta ao nosso convite para uma parceria interativa, que rendeu uma edição com a cara da mulher brasiliense. Reunimos aqui o conteúdo produzido a partir desse esforço conjunto entre as equipes da Revista e do Correio.com. Aproveitamos para agradecer – e muito! – a sua participação.

Uma mulher ativa, porém com as preocupações típicas da modernidade: ela quer um parceiro, proteger os filhos, estabilidade financeira e achar um tempo para o sexo. Confira os resultados do questionário…”