Archive for julho \31\UTC 2011

LIVREIRO DO ALEMÃO CRIA “BARRACOTECA” NA FAVELA

31/07/2011

Otávio Júnior criou a "Barracoteca Hans Christian Andersen"; no ensino médio, ele matava aula para ir à biblioteca

Folha.com – Emilio Sant’anna / Foto: Paula Giolito – Folhapress

“Enquanto traficantes do Comando Vermelho em fuga trocavam tiros com a polícia e soldados do Exército durante a ocupação dos complexos da Penha e do Alemão, em novembro de 2010, Otávio Júnior, 27, escrevia.

Sem poder sair de casa, finalizava “O Livreiro do Alemão” — seu ingresso no mundo dos escritores — e preparava-se para instalar a primeira biblioteca do conjunto de 13 favelas na zona norte do Rio com quase 400 mil pessoas.

“Quando os confrontos eram muito acirrados, eu produzia muito. Escrevia enquanto as balas “comiam” para cima e pra baixo.”

Biblioteca? Na verdade, trata-se da “Barracoteca Hans Christian Andersen” -corrige Otávio. O nome é uma homenagem ao escritor dinamarquês autor de contos como “A Pequena Sereia” e “A Roupa…” (Leia e comente)

MARY DEL PRIORE

29/07/2011

HISTORIADORA DEBATE BARBIE, ABORTO, EROTISMO E OS MITOS QUE A MULHER LEVA PARA A CAMA

Revista TPM – Nina Lemos

“A historiadora Mary Del Priore, 59 anos, odeia a boneca Barbie. Explica-se. Segundo ela, foi com a chegada da boneca da Mattel ao Brasil, nos anos 70, que a mulher brasileira começou a ficar obcecada em ser loira, magra, consumista. “A Barbie ensina as crianças a serem putas”, diz essa senhora distinta, autora de 29 livros, o mais recente deles, Histórias Íntimas, um panorama sobre o erotismo e a intimidade no Brasil.

Mary é uma especialista em história brasileira com todas as credenciais de intelectual de sucesso. Foi professora na USP e fez doutorado na França. Mas ela gosta mesmo é de contar histórias, seja em romances ou em livros como Corpo a Corpo com a Mulher ou História do Amor no Brasil, ambos com mais de 40 mil exemplares vendidos. Sim, Mary é uma escritora de best-seller (o seu mais recente livro ocupava até o fechamento da edição o primeiro lugar na lista dos mais vendidos…” (Leia e comente)

O SEMEADOR DO PONTAL DO PARANAPANEMA

28/07/2011

JEFFERSON LIMA DEDICA-SE AO PROJETO CAFÉ COM FLORESTA, DA ONG IPÊ. NO PONTAL DO PARANAPANEMA (SP), ELE ESTIMULA ASSENTADOS A FAZER O PLANTIO DE ESPÉCIES NATIVAS
NAS ÁREAS DE CULTIVO DE CAFÉ.

National Geographic – Liana John / Foto de Liana John

“Na caminhonete há uma coleção de sacos e sacolinhas, bem amarrados para não deixar escapar o precioso conteúdo. O geógrafo e técnico em agropecuária Jefferson Lima nunca volta com a mesma carga da ida. Também nunca chega ou sai de mãos abanando. Quando faz suas visitas aos assentados do Pontal do Paranapanema, no extremo oeste do Estado de São Paulo, ele é um autêntico dispersor de sementes e de mudas, um extensionista rural como poucos, integrante da equipe do Instituto de Pesquisas Ecológicas, Ipê.

Não por acaso, vários dos assentados com os quais ele trabalha o chamam de professor. Enquanto distribui suas sementes e promove trocas entre agricultores, ele vai semeando ideias, dando uma sugestão aqui; ressaltando a importância da diversidade de culturas ali; chamando a atenção para os cuidados que mantêm viva a fertilidade do solo; as formas de controlar pragas e doenças de maneira natural, sem químicos,…” (Leia e comente)

JOVEM COM CÂNCER ÓSSEO DIZ QUE VIVEU ‘UMA VIDA COMPLETA’ EM TRÊS ANOS

27/07/2011

UM JOVEM AMERICANO QUE FALECEU DE CÂNCER TRÊS ANOS APÓS O DIAGNÓSTICO DEDICOU-SE A APROVEITAR AO MÁXIMO NO TEMPO QUE TINHA. EM SEU ÚLTIMO ANO DE VIDA, ELE SE APAIXONOU E CASOU-SE COM A NAMORADA, QUE FICOU AO SEU LADO ATÉ O FIM.

BBC  Brasil

“Alex Lewis foi diagnosticado aos 17 anos com câncer nos ossos e passou por um tratamento intensivo contra a doença, sem sucesso. Ele faleceu pouco depois do seu aniversário de 22 anos.

Durante os últimos três anos, ele experimentou o que muitas pessoas levam toda a vida para conseguir, inclusive conhecer e casar com o amor de sua vida.

A história de Alex foi tema do documentário “Alex: A Life Fast Forward” (Alex: Uma Vida Acelerada, em tradução livre), do canal de TV britânico BBC Three.

O garoto foi diagnosticado depois de sentir dor no braço por meses. “Ele jogava muito tênis de futebol americano, por isso imaginou que havia distendido alguns músculos,…” (Leia e comente)

MENTE NA TERCEIRA IDADE

26/07/2011

FACILIDADE OU DIFICULDADE EM APRENDER
ESTÁ LIGADA ÀS EMOÇÕES

Vya Estelar – Elisandra Vilella G. Sé

“A aprendizagem é uma experiência primordial, pois através dela nos engajamos em novas ideias, adquirimos novos comportamentos, sabemos de fatos e princípios a serem aplicados durante a vida. Essa busca de informação é contínua e dá um sentido a todas as circunstâncias vividas. Nenhuma experiência de aprendizado é isolada na vida, muitas vezes é associada às emoções.

As emoções servem como guias de cognição e ajudam as pessoas a tomarem decisões todos os dias. Um rosto triste, bravo, “carrancudo” ou uma pessoa chorando, alegre e rindo nos dão pistas sobre diferentes comportamentos e o que pode estar afetando aquela pessoa naquele momento.

Nossas experiências são moldadas pelas emoções. É assim que se aprende a ficar algere numa festa, consolar um amigo triste,…” (Leia e comente)

BICICLETA DE PLÁSTICO

26/07/2011

ESTUDANTE DE JERUSALÉM CRIA BIKE FEITA INTEIRAMENTE
DE MATERIAIS RECICLÁVEIS

Galileu

A estudante Dror Peleg, da Academia de Arte e Design Bezalel, em Jerusalém, desenvolveu uma bicicleta feita inteiramente (exceto os pneus) de plástico reciclado. O projeto já saiu do papel e as bicicletas de fato funcionam e estão prontas para serem produzidas. Comparada com a produção da tradicional bicicleta de metal, requer muito menos trabalho, é mais barata e sua tecnologia pode ser adaptada conforme as indústrias locais. Dror Peleg batizou sua criação de “Frii” e abaixo você pode ver algumas fotos.

A FISIOLOGIA DE UM BEIJO

25/07/2011

SÍMBOLO DE VÍNCULO, AFETO E ACEITAÇÃO, O ENCONTRO ENTRE BOCAS APAIXONADAS É LEVADO A SÉRIO PELA CIÊNCIA.
DESCUBRA O QUE ELE REPRESENTA PARA O CORPO
E POR QUE ELEVA TANTO O BEM-ESTAR

Saúde – Pedro Belo

“Um só minuto de beijo e, no entanto, quantos segundos de espanto! A frase é de Vinicius de Moraes, mas a sensação descrita é compartilhada pela maioria das pessoas. Será possível explicar racionalmente o que um gesto tão instintivo provoca dentro do organismo? Em mês de namorados e santo casamenteiro, vale a pena ouvir o que os especialistas têm a dizer.

“O beijo é um ato que faz o indivíduo se lembrar inconscientemente da amamentação, um período de entrega total. Por isso, traz conforto e confiança”, avalia o ginecologista e sexólogo carioca Amaury Mendes Júnior. Para a psiquiatra Carmita Abdo, da Universidade de São Paulo, ele faz parte de uma espécie de iniciação no mundo. “A boca é o principal órgão da comunicação e aprendemos desde cedo a demonstrar afeto por meio do beijo”, diz.

Nos últimos anos, a ciência se debruçou sobre o legítimo boca a boca e busca enxergá-lo inclusive como um mecanismo de perpetuação da linhagem. O homem prefere beijos molhados, por exemplo, porque tentaria lançar mais testosterona, o hormônio do apetite sexual,…” (Leia e comente)

BICICLOTECA

22/07/2011

BIKE ITINERANTE DOA LIVROS A MORADORES DE RUA

Super Interessante – Débora Spitzcovsky

“Está na Constituição brasileira: todo o cidadão tem direito à cultura e educação e, para ajudar a cumprir essa Lei, o IMV – Instituto Mobilidade Verde criou a Bicicloteca, uma bike itinerante desenvolvida para percorrer as ruas das cidades brasileiras doando livros aos moradores de rua.

Com um compartimento traseiro que tem capacidade para armazenar até 150 kg de livros, a Bicicloteca é capaz de levar a leitura a centenas de desabrigados, que para ganhar uma obra só precisam fazer uma promessa: doar o livro para outro morador de rua, quando terminarem a leitura – já que seria inviável pedir para que obras fossem devolvidas à biblioteca, como de costume.

O projeto ainda está no começo e a primeira Bicicloteca do IMV será doada, na próxima segunda-feira, 25 de julho – não por acaso, o Dia do Escritor – para o MEPSRSP – Movimento Estadual de População em Situação de Rua de São Paulo, que oferece assessoria jurídica aos desabrigados, além de encaminhá-los para projetos sociais e empresas dispostas a oferecer emprego…” (Leia e comente)

A DOENÇA DE SER NORMAL

22/07/2011

COM MEDO DA LIBERDADE, PREFERIMOS ADERIR À MANADA

Época – Eliane Brum

“Na semana passada, li uma entrevista do professor José Hermógenes de Andrade Filho, uma lenda no mundo da ioga no Brasil. No texto, ele conta ter criado uma palavra – “normose” – para dar conta daquele que talvez seja o grande mal do homem contemporâneo. “Normose” seria a “doença de ser normal”. O professor explica: “Como diz o título de um documentário que fizeram sobre mim: ‘Deus me livre de ser normal!’. Pois, na dita normalidade em que vivemos, somos constantemente alimentados pelo que nos aliena de nós. Com isso, perdemos a noção das coisas, do sentido de nossa vida, deixando que o mundo interfira muito mais do que deveria. (…) Essa normalidade nunca esteve tão distante da verdade”.

A entrevista faz parte de uma coletânea de boas conversas com pessoas ligadas ao universo da espiritualidade – não necessariamente religiosa – no Brasil e no mundo, escrito em dois volumes pelo jornalista mineiro Lauro Henriques Jr., com o título “Palavras de poder” (LeYa, 2011). Ganhei os dois livros de uma pessoa especial na minha vida e por isso comecei a ler com curiosidade. Me deparei com a “normose” do professor Hermógenes. E fiquei instigada a pensar sobre ela…” (Leia e comente)

DAVID BYRNE

09/07/2011

“David Byrne, qu’est-ce que c’est? Ex-líder da banda Talking Heads, embaixador da world music, cineasta, artista plástico, escritor e, de uns anos para cá, garoto-propaganda da bicicleta. Depois de pedalar por Nova York e pelo mundo, o multiartista escreveu o livro Diários de bicicleta e passou a dar palestras sobre mobilidade sustentável. Este mês é a vez do Brasil: Byrne vem para a Flip, em Paraty, e para um fórum em São Paulo. Mas antes de embarcar ele contou à Trip como a bicicleta pode se tornar o símbolo maior de uma nova consciência urbana

Trip – MIllos Kaiser e Ricardo Calil – Fotos Gil Inoue

“Se você quer se dar bem em Nova York, é preciso escolher o veículo certo. Nada de carro do último ano, táxi amarelo disputado a tapas ou o sempre eficiente, porém infestado de ratos, sistema de metrô. O negócio agora é ter uma bicicleta. De preferência, um modelo raro. Se por acaso cair nas suas mãos uma bike do século 19, aquela com a roda da frente gigante e a de trás minúscula, então você é o cara.

Foi só um passeio de meia hora entre Chinatown e o SoHo, levando a bicicleta na mão. Mas, pasme, também foi o suficiente para descobrir que no peito do nova-iorquino – talvez o povo mais marrento do planeta – também bate um coração. O policial abriu passagem na calçada,…” (Leia e comente)