A JUKEBOX VOLTOU A SER O MÁXIMO

AS MÁQUINAS DE MÚSICA QUE FAZEM SUCESSO NOS
BARES TÊM CARA DE TABLET

Época – Danilo Venticinque

“No início de 2009, depois de uma bem-sucedida carreira como executivo de gravadoras como Warner e BMG, o sul-africano Charles Goldstuck desistiu da combalida indústria fonográfica. Ao contrário de muitos de seus colegas, que trocaram as cadeiras nos escritórios de gravadoras por posições de destaque na saudável indústria de shows ou pela aposentadoria, Goldstuck tomou uma decisão aparentemente contraditória. Deixou de trabalhar com discos para embarcar no comando da empresa americana TouchTunes, num negócio ainda mais decadente: a venda de jukeboxes, máquinas instaladas em lugares públicos, geralmente bares, que tocam músicas em troca de moedas.

As chances de sucesso eram remotas. As jukeboxes pareciam ter esgotado seus dias de glória havia várias décadas. Entre os anos 1920 e 1980, quando eram sinônimo de modernidade e estavam presentes nos bares mais badalados do mundo, elas invadiram a cultura popular. Foram atingidas por tiros e pontapés em filmes de ação e inspiraram videoclipes de sucesso como Faith, de George Michael. Num momento memorável do drama Quem tem medo de Virginia Woolf? (1966), a personagem Martha, interpretada pela atriz americana Elizabeth Taylor, dança na frente de uma jukebox para provocar o marido, até que ele, irritado, puxa o fio para desligar o aparelho. Hoje em dia, seria difícil encontrar uma jukebox…” (Leia e comente)

Tags: , , ,

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: