Archive for the ‘Artes’ Category

6 ILUSTRADORES ERÓTICOS PARA SEGUIR NO INSTAGRAM

09/11/2016

sabrina-gevaerd-o-quereres

Revista Trip por Paula Jacob – Foto de Sabrina Gavaerd

PRAZER FEMININO, SURREALISMO, NATURALIDADE E MASOQUISMO ESTÃO ENTRE OS TEMAS ABORDADOS PELOS ARTISTAS QUE VOCÊ PRECISA CONHECER

Não é de hoje que artistas de todo o mundo representam cenas de sexo em seus desenhos. Antes de ser taxada de arte transgressora, esse tipo de imagem era usado para fins religiosos, retratando a força do ato sexual como um potencial energético sobrenatural. Hoje, elas aparece em quadrinhos, livros, esculturas, nos museus, nas redes sociais, nos muros das cidades.

Separamos seis perfis de ilustradores que só desenham “aquilo” para você seguir no Instagram, soltar as amarras e deixar a imaginação fluir…. Continue lendo

Anúncios

AMOR NO MURO

28/06/2012

ARTISTA FRANCESA ESTAMPA SENSUALIDADE
E VOYEURISMO PELAS RUAS

Revista Trip – Felipe Pedroso (*)

“O amor está no ar, ou melhor, estampado nos muros e paredes das ruas e becos das principais cidades da França. Fruto do trabalho da artista Claire Streetart, que nos últimos meses tem espalhado pelas ruas Paris, Marselha, e Montpellie colagens e grafites de casais provocantes, no projeto que ela chama de Duetto X.

A artista contribui para a fama romântica das cidades francesas, construindo um cenário sugestivo, repleto de paixão e  sensualidade, a fim de mostrar um pouco da vida boêmia e dos amores da cidade, estimulando o lado voyeurista…” (Leia e comente)

DEUTSCHE WELLE LEVA VOCÊ E UM ACOMPANHANTE PARA ASSISTIR À INAUGURAÇÃO DA EXPOSIÇÃO DE ALEX FLEMMING NO RIO DE JANEIRO

02/12/2010

DW-Word.DE

“Alex Flemming é um dos artistas plásticos brasileiros mais renomados no exterior. Nascido na capital paulista em 1954, suas obras envolvem fotografia, pintura, escultura, gravura e poesia e têm sido expostas e vendidas em vários países, incluindo Alemanha, Espanha, Portugal, Noruega, Dinamarca, Holanda, Chile, Argentina, Cuba, Austrália e Estados Unidos.

Há 19 anos, fixou residência em Berlim, onde vive num amplo apartamento distante poucas quadras do ateliê inaugurado há pouco no bairro de Prenzlauer Berg. Como parte da série Expedição para casa, a Deutsche Welle vai acompanhá-lo numa viagem ao Brasil, onde será inaugurada uma exposição individual do artista no Museu Nacional de Belas Artes, no Rio de Janeiro, no dia 9 de dezembro.

E você e mais um convidado seu poderão estar lá! Para concorrer, basta escrever um e-mail até o dia 5 de dezembro, dizendo:

Por que a DW deve levar você para conhecer Alex Flemming?*…” (Leia mais e concorra)

QUANDO A TELA É UM BUEIRO

27/08/2010

DUPLA DE GRAFITEIROS, 6EMEIA, COLORE BUEIROS
DA CAPITAL PAULISTA

Bravo

“Anderson Augusto, o São, e Leonardo Delafuente, conhecidos como 6emeia, fazem grafite em bueiros, postes e tampas de esgoto da cidade de São Paulo. A começar pelo bairro da Barra Funda, onde nasceram, a arte da dupla tomou também as regiões do Bom Retiro e Santa Cecília e já despertou interesse de críticos fora do Brasil.

De Che Guevara a Carmem Miranda, os artistas fazem uma obra muito colorida e bem-humorada que já foi exposta no clube Berlin, na capital paulista, num abrigo antibomba, na Alemanha e no Slot Art Festival,…” (Leia e comente)

PINTURA OBSOLETA?

08/02/2010

ARTISTA BRITÂNICO DESCOBRE FIM CRIATIVO
PARA ESSAS VELHARIAS

Superinteressante

“Você ainda se lembra do disquete, da fita de vídeo VHS e da fita cassete? Pode até parecer uma pergunta obsoleta, mas o artista plástico britânico Nick Gentry* descobriu um fim muito legal e criativo para essas “velharias”.

Em suas telas, Gentry usa esses objetos para construir faces imaginárias e identidades que podem ter ligação com as informações pessoais armazenadas nesses formatos de mídia. Seus trabalhos têm como foco explorar o avanço da tecnologia…” (Leia e comente)

FOTÓGRAFO FRANCÊS CRIA ‘DIA-A-DIA EM MINIATURA’

05/11/2009

bonequinhos 1

“UM ARTISTA FRANCÊS UTILIZA BONECOS DE PLÁSTICO EM MINIATURA PARA REPRODUZIR CENAS DA VIDA COTIDIANA.”

BBC Brasil

“O fotógrafo e designer gráfico Vincent Bousserez diz que começou a tirar as fotos da série Plastic Life (ou “vida plástica”, em tradução livre) depois de se encantar com uma loja de miniaturas que começou a frequentar levado por um amigo.

“Essas fotos em close eliminam a distância entre o olho do espectador e a cena que ele descobre”, descreveu Bousserez à BBC Brasil.

“Ele entra em um mundo estranhamente similar ao dele e diferente ao mesmo tempo. Cada foto se torna um roteiro poético e bem-humorado que pode ser interpretado como a denúncia dos vícios de nosso tempo.”

Ele diz que a ideias das fotos vêm espontaneamente. “Na maioria das vezes, eu compro esses bonequinhos sem pensar em uma cena. Eu simplesmente os carrego comigo. E quando estou em algum lugar e vejo algo, a inspiração vem naturalmente”, conta.

Ao criar, o artista se compara com “uma criança”. “Eu interrompo a conversa, apanho esta ou aquela mobília que descobri,…” (Leia e comente)

MUTANTES RECICLADOS

29/09/2009

mutante de borracha

Super Interessante – Imagem: Gana Art Gallery

“Você sabia que há “vida” para o pneu após o uso em veículos? Os restos dessa borracha preta podem ser transformados em cercas, asfaltos e no que mais a sua mente criar. No caso do artista coreano Ji Yong Ho, a imaginação foi bem longe…

Seus mutantes – esculturas feitas a partir de tiras de pneus descartados – são criados para provocar a reflexão sobre a atual obsessão dos jovens, de modo geral, pela engenharia genética, como nos seriados Heroes e X-Men, exibidos pela TV.

Embora as inusitadas criaturas – como o unicórnio de duas cabeças ou o leão com cabeça humana – pareçam monstruosas, a intenção do artista é deixá-las mais simpáticas aos olhos de quem…”
(Leia mais e comente a matéria)

No vídeo abaixo outros trabalhos do Artista Ji Yong Ho…

NA JANELA DA INTERNET

21/09/2009

sapatos

“MOSTRA REÚNE 19 JOVENS ARTISTAS COLOMBIANOS E DESTACA
O DESENHO QUE É PRODUZIDO HOJE PELA GERAÇÃO PÓS-INTERNET”

Isto É – Paula Alzugaray

“Há uma tônica comum, compartilhada por grande parte dos trabalhos da mostra “Asimetrías y Convergencias”. À parte o fato de todas as obras serem desenhos – e seus desdobramentos -, poderiase dizer que quase todas elas funcionam como “crônicas caseiras”, por referirem-se a situações vividas em espaços íntimos e interiores. É como se os trabalhos que estão expostos na Galeria

Adriana Salazar

Adriana Salazar

Vermelho tivessem sido criados a partir de longos períodos de convivência entre o artista e o universo particular que o cerca. Isso fica muito claro, por exemplo, nas instalações robóticas de Adriana Salazar: em “Máquinas Maleducadas”, a artista fabrica uma engenhoca que verte o conteúdo de uma garrafa de vinho em uma taça. Esta, no entanto, recusa-se a conter o vinho e invariavelmente despeja-o no chão da galeria.

A subversão do universo caseiro também dá o tom do vídeo de Gabriel Antolinez, “Aire, Bolsa y Cinta Adesiva (Mi Casa)”, em que um tubo inflável de plástico transparente passeia pelos quatro cantos da casa; e ainda nas projeções de Angélica Teuta, intituladas…” (Leia mais e comente a matéria)

“SCHREBERGARTEN” É MODA NAS GRANDES CIDADES ALEMÃS

21/08/2009
Espaços abertos e muita luz: design contemporâneo para a tradição dos jardins familiares

Espaços abertos e muita luz: design contemporâneo para a tradição dos jardins familiares

DW-Word.De – Andreas Main

“O “SCHREBERGARTEN”, JARDINZINHO URBANO, FOI INVENTADO
NO PAÍS E É COMUM DE NORTE A SUL. SUA MÁ FAMA DE
CARETICE, CONTUDO, É COISA DO PASSADO. ADOTADO
POR ARTISTAS E DESIGNERS JOVENS, ELE ESTÁ
MAIS NA MODA DO QUE NUNCA.”

“O número de jovens que resolvem arrendar um Schrebergarten na Alemanha aumenta a cada dia, entre outros em Berlim, já que a capital do país é um verdadeiro paraíso dessas pequenas propriedades.

Tais jardins com suas pequenas casas são construídos em terrenos que pertencem ao Estado e normalmente administrados por associações que os arrendam para interessados em geral. Os custos são baixos e a lista de espera, dependendo da localização, longa.

Entre as famílias com crianças em bairros como Prenzlauer Berg e Kreuzberg, em Berlim, tornou-se uma verdadeira moda a procura por essa faixa verde no meio da selva de pedra. Um de seus adeptos convencidos é o escritor russo radicado na cidade Wladimir Kaminer, autor de um livro sobre o assunto – Mein Leben im Schrebergarten. Ein Roman (Minha vida no Schrebergarten. Um romance)…” (Leia mais)

ATELIÊ, MEU MUNDO

19/08/2009

artista e pintura

Correio Brasiliense – Nahima Maciel

“Ateliê é lugar sagrado. Tem ordem própria, visitação limitada, luz específica e uma aura que ajuda a encarar o processo criativo como algo bastante etéreo e transcendental. Misticismo puro para alguns artistas, realidade para outros. Fato inquestionável, no entanto, é a capacidade de o ateliê interferir na configuração das obras. É consenso entre os artistas que a decisão de montar um espaço destinado exclusivamente ao trabalho pode refrescar a produção. Há quem só tenha conseguido pintar telas de grandes dimensões quando se instalou em salas amplas. Ou quem tenha descoberto novas cores ao pintar exclusivamente com luz natural. E há ainda os que se depararam com novas linguagens depois de alugar um galpão em lugar afastado da cidade…” (Leia mais)