Archive for the ‘Espiritualidade’ Category

O QUE FAZ SENTIDO PARA A SUA VIDA?

23/12/2016

142601

Planeta por Renata Valério de Mesquita

A INSTABILIDADE SOCIAL, ECONÔMICA E MORAL NO MUNDO NOS LEVA A QUESTIONAR A HUMANIDADE DOS OUTROS. MAS TAMBÉM É PRECISO OLHAR PARA DENTRO E REFLETIR
SOBRE QUEM QUEREMOS SER

A Terra vista de Marte é minúscula. Nós, humanos, no espectro do universo, menores ainda. Há menos de um ano, a Nasa detectou a existência de água em Marte. E se existe água, existe sentido para a vida. Na grandeza cósmica, somos pequenos, insignificantes. Somos pequenos, sim, mas também somos grandes. Se nos olharmos com outras lentes, veremos que significamos muito. Na Terra, cada vida tem a importância de um universo. O microcosmo do planeta já é grande o bastante. Tanta complexidade às vezes nos confunde. Este início de milênio é daqueles momentos em que a crença na humanidade é questionada. Diante da violência, quase sempre gratuita, da intolerância, do desrespeito à natureza, é inevitável perguntar: qual é o sentido disso tudo? Qual é o sentido da vida?… Continue lendo

Anúncios

CURTA E SÁBIA!

01/04/2011

Uma noite, um velho índio falou ao seu neto sobre o combate que acontece dentro das pessoas.

Ele disse: – Há uma batalha entre dois lobos que vivem dentro de todos nós.

Um é Mau – É a raiva, o ódio, a inveja, o ciúme, tristeza, desgosto, cobiça, arrogância, vaidade, pena de si mesmo, culpa, ressentimento, inferioridade, orgulho falso, superioridade e ego.
O outro é Bom – É a alegria, fraternidade, paz, a amizade, o Amor, solidariedade, esperança, serenidade, humildade, bondade, benevolência, empatia, generosidade, verdade, compaixão e fé.

O neto pensou nessa luta e perguntou ao avô: – Qual lobo vence?
O velho índio respondeu:

– Aquele que você alimenta!

– Obrigado Sandrinha!

OFERECER A OUTRA FACE

01/12/2010

Momento de Reflexão

Um dos conceitos intrigantes de Jesus é Sua proposta de, quando alguém nos bater em uma face, oferecer a outra.

Ao analisarmos literalmente tal passagem contida nos Evangelhos, vemos ser irracional ficar oferecendo a face para que outro, tomado de violência, nos agrida fisicamente.

Conclui-se, pois, que Jesus não estava nos falando do aspecto físico da bofetada, e nem nos recomendando nos colocarmos, indefesos, frente à violência alheia.

É natural que a ofensa a que Jesus se referia era a do aspecto moral, emocional. São as bofetadas que levamos pela agressão verbal do próximo, pelo discurso provocativo do outro ou, ainda, pelo verbo voraz de quem se nos acerca.

Oferecer a outra face, diz-nos, na intimidade, para oferecer outra possibilidade em nossos relacionamentos, outra maneira de nos conduzir em relação ao próximo.

São frequentes as dificuldades que temos ao nos relacionar, por exemplo, com alguém de nosso meio familiar. Às vezes, nossas observações e frases que em qualquer momento parecem tão naturais, com os familiares se transformam em contenda ou dissensões, brigas e altercações.

Nesses momentos é que se faz necessário oferecer a outra face. Se nos surge um relacionamento difícil, seja na família, no trabalho, no ambiente social, não há nada melhor do que nos propormos a modificar a situação.

Experimentemos, nessas oportunidades, abordar de maneira diferente a pessoa, respeitar posicionamentos, entender valores, compreender suas ações.

Ao modificar nosso olhar a respeito das atitudes de quem nos irrita, estaremos oferecendo uma nova face para o relacionamento…” (Leia mais e comente)

RELIGIÃO É COMPONENTE GENÉTICO

01/06/2010

BRITÂNICO NICHOLAS WADE, AUTOR DO LIVRO THE FAITH INSTINCT, DEFENDE QUE A SELEÇÃO NATURAL PRIVILEGIOU
OS HUMANOS RELIGIOSOS

Galileu – Érika Kokay

Nicholas Wade, repórter especializado em ciência do New York Times, juntou religião e as ideias evolutivas de Darwin – duas coisas aparentemente opostas. Em seu livro: The Faith Instinct (O Instinto de Fé, sem edição no Brasil), defende que a religiosidade é um comportamento universal humano, presente em todas as sociedades, e provavelmente moldada pela seleção natural em milhares de anos. Para ele, todos nós temos um instinto religioso, que nos faz querer ter fé.

A relação do repórter com a religiosidade começou no Eton College, no condado inglês de Buckingham. Fundada pelo rei da Inglaterra Henrique VI, a escola manteve seu currículo quase intacto ao longo dos mais de 500 anos que separam sua fundação, em 1440, do ingresso de Nicholas Wade, durante o colegial. Devido à grade secular, ele aprendeu latim e grego, estudou diversas religiões e frequentava a igreja duas vezes ao dia, exceto aos domingos. “Eu acho que essa familiaridade com os hinos e com a liturgia da Igreja da Inglaterra me fez apreciar a religião e me ajudou a entender porque ela tem sido uma força tão poderosa ao longo da história”,… (Leia e comente)

RETRIBUIR O MAL COM O BEM

19/01/2010

1. Aprendestes que foi dito: “Amareis o vosso próximo e odiareis os vossos inimigos.” Eu, porém, vos digo: “Amai os vossos inimigos; fazei o bem aos que vos odeiam e orai pelos que vos perseguem e caluniam, a fim de serdes filhos do vosso Pai que está nos céus e que faz se levante o Sol para os bons e para os maus e que chova sobre os justos e os injustos. – Porque, se só amardes os que vos amam, qual será a vossa recompensa? Não procedem assim também os publicanos? Se apenas os vossos irmãos saudardes, que é o que com isso fazeis mais do que os outros? Não fazem outro tanto os pagãos?” (S. MATEUS, cap. V, vv. 43 a 47.)

– “Digo-vos que, se a vossa justiça não for mais abundante que a dos escribas e dos fariseus, não entrareis no reino dos céus.”(S. MATEUS, cap. V, v. 20.)

2. “Se somente amardes os que vos amam, que mérito se vos reconhecerá, uma vez que as pessoas de má vida também amam os que os amam? – Se o bem somente o fizerdes aos que vo-lo fazem, que mérito se vos reconhecerá, dado que o mesmo faz a gente de má vida? – Se só emprestardes àqueles de quem possais esperar o mesmo favor, que mérito se vos reconhecerá, quando as pessoas de má vida se entreajudam dessa maneira, para auferir a mesma vantagem? Pelo que vos toca, amai os vossos inimigos, fazei bem a todos e auxiliai sem esperar coisa alguma. Então, muito grande será a vossa recompensa e sereis filhos do Altíssimo, que é bom para os ingratos e até para os maus. – Sede, pois, cheios de misericórdia, como cheio de misericórdia é o vosso Deus.” (S. LUCAS, cap. VI, vv. 32 a 36.) (Leia e comente)

A VERDADEIRA PROPRIEDADE

18/01/2010

9. O homem só possui em plena propriedade aquilo que lhe é dado levar deste mundo. Do que encontra ao chegar e deixa ao partir goza ele enquanto aqui permanece. Forçado, porém, que é a abandonar tudo isso, não tem das suas riquezas a posse real, mas, simplesmente, o usufruto. Que é então o que ele possui? Nada do que é de uso do corpo; tudo o que é de uso da alma: a inteligência, os conhecimentos, as qualidades morais. Isso o que ele traz e leva consigo, o que ninguém lhe pode arrebatar, o que lhe será de muito mais utilidade no outro mundo do que neste. Depende dele ser mais rico ao partir do que ao chegar, visto como, do que tiver adquirido em bem, resultará a sua posição futura. Quando alguém vai a um país distante, constitui a sua bagagem de objetos utilizáveis nesse país; não se preocupa com os que ali lhe seriam inúteis. Procedei do mesmo modo com relação à vida futura; aprovisionai-vos de tudo o de que lá vos possais servir.

Ao viajante que chega a um albergue, bom alojamento é dado, se o pode pagar. A outro, de parcos recursos, toca um menos agradável. Quanto ao que nada tenha de seu, vai dormir numa enxerga. O mesmo sucede ao homem, a sua chegada no mundo dos Espíritos: depende dos seus haveres o lugar para onde vá. Não será, todavia, com o seu ouro que ele o pagará. Ninguém lhe perguntará: Quanto tinhas na Terra? Que posição ocupavas? Eras príncipe ou operário? Perguntar-lhe-ão: Que trazes contigo? Não se lhe avaliarão os bens, nem os títulos, mas a soma das virtudes que possua. Ora, sob esse aspecto, pode o operário ser mais rico do que o príncipe. Em vão alegará que antes de partir da Terra pagou a peso de ouro a sua entrada no outro mundo. Responder-lhe-ão: Os lugares aqui não se compram: conquistam-se por meio da prática do bem. Com a moeda terrestre, hás podido comprar campos, casas, palácios; aqui, tudo se paga com as qualidades da alma… (Leia e comente)

O HOMEM DE BEM

17/01/2010

3. O verdadeiro homem de bem é o que cumpre a lei de justiça, de amor e de caridade, na sua maior pureza. Se ele interroga a consciência sobre seus próprios atos, a si mesmo perguntará se violou essa lei, se não praticou o mal, se fez todo o bem que podia, se desprezou voluntariamente alguma ocasião de ser útil, se ninguém tem qualquer queixa dele; enfim, se fez a outrem tudo o que desejara lhe fizessem.

Deposita fé em Deus, na Sua bondade, na Sua justiça e na Sua sabedoria. Sabe que sem a Sua permissão nada acontece e se Lhe submete à vontade em todas as coisas.

Tem fé no futuro, razão por que coloca os bens espirituais acima dos bens temporais.

Sabe que todas as vicissitudes da vida, todas as dores, todas as decepções são provas ou expiações e as aceita sem murmurar.

Possuído do sentimento de caridade e de amor ao próximo, faz o bem pelo bem, sem esperar paga alguma; retribui o mal com o bem, toma a defesa do fraco contra o forte, e sacrifica sempre seus interesses à justiça.

Encontra satisfação nos benefícios que espalha, nos serviços que presta, no fazer ditosos os outros, nas lágrimas que enxuga, nas consolações que prodigaliza aos aflitos. Seu primeiro impulso é para pensar nos outros, antes de pensar em si, é para cuidar dos interesses dos outros antes do seu próprio interesse. O egoísta, ao contrário, calcula os proventos e as perdas decorrentes de toda ação generosa.

O homem de bem é bom, humano e benevolente para com todos, sem distinção de raças, nem de crenças, porque em todos os homens vê irmãos seus.

Respeita nos outros todas as convicções sinceras e não lança anátema aos que como ele não pensam. (Leia e comente)

A PACIÊNCIA

07/12/2009

“A dor é uma bênção que Deus envia a seus eleitos; não vos aflijais, pois, quando sofrerdes; antes, bendizei de Deus onipotente que, pela dor, neste mundo, vos marcou para a glória no céu.

Sede pacientes. A paciência também é uma caridade e deveis praticar a lei de caridade ensinada pelo Cristo, enviado de Deus. A caridade que consiste na esmola dada aos pobres é a mais fácil de todas. Outra há, porém, muito mais penosa e, conseguintemente, muito mais meritória: a de perdoarmos aos que Deus colocou em nosso caminho para serem instrumentos do nosso sofrer e para nos porem à prova a paciência…” (Leia e comente)

SONHOS DA HORA DA MORTE ELES PODEM REVELAR O SENTIDO DA NOSSA EXISTÊNCIA

12/08/2009

morte

Revista Planeta

“Capelã de um asilo para idosos há mais de dez anos, a missionária Patricia Bulkley enfrentou as fortes emoções de quem está prestes a falecer: o terror da morte que se aproxima, as questões familiares não solucionadas, a crise da fé. Há pessoas que resolvem esses medos, como Charles Rasmussen, capitão aposentado da marinha mercantil que, aos 85 anos, estava morrendo de câncer. Estava tomado pelo medo, mas certa noite, num sonho, viu a si próprio navegando em águas inexploradas e experimentou ainda uma vez o arrepio da aventura que o levava a atravessar um longo e escuro trecho de mar aberto, sabendo que nele podia encontrar o seu fim. “É estranho, mas não tenho mais medo de morrer”, ele declarou logo após aquele sonho. A morte para ele não era mais o fim, mas simplesmente uma travessia…” (Leia mais)