Posts Tagged ‘Amor’

AMOR TEM PRAZO DE VALIDADE?

03/10/2011

Marie Claire

“Aqui entre você e eu: dá uma olhada no seu homem, no seu namorado, no seu marido. Repara nele fritando um ovo, coçando o cocuruto, fazendo xixi de porta aberta, chegando do trabalho, saindo pra comprar um pão, falando bobagem com os amigos. Dá uma olhada nele bocejando, nele escovando os dentes, nele metendo o cotovelo na mesa. E quando assiste futebol, não te escuta e espia uma mulher mais dotada que passou por ele na rua? Olha isso tudo e diz cá um negócio: você e ele, é pra sempre?

Você está certa disso? Posso perguntar?

Agora, aqui entre nós de novo: lembra do seu último rapaz. Aquele cara que foi tudo antes do seu atual. O ex. Cava na sua cuca a lembrança de quando o ex não era ex. Quando o ex era o seu futuro. Naquela época, ele era para sempre?

Você estava certa disso, não tava? Posso perguntar?

Ah, meninas, meninas. O amor matou o amor!

POSTO QUE É CHAMA, METE ÁGUA!

Hoje eu quero falar sobre coisas sombrias e coisas rosas.
Fiquei pensando nisso tudo depois que esbarrei com um livro do Luc Ferry. O Luc Ferry, vocês conhecem? Ah, o Luc Ferry é bala! É fera radical! E um filósofo do coração. Escreveu em “A Revolução do Amor” que a culpa é nossa. Nós matamos o amor…” (Leia e comente)

Anúncios

CRÔNICA DO AMOR

30/08/2010

Pensador.Info – Arnaldo Jabor

“Ninguém ama outra pessoa pelas qualidades que ela tem, caso contrário os honestos, simpáticos e não fumantes teriam uma fila de pretendentes batendo a porta.

O amor não é chegado a fazer contas, não obedece à razão. O verdadeiro amor acontece por empatia, por magnetismo, por conjunção estelar.

Ninguém ama outra pessoa porque ela é educada, veste-se bem e é fã do Caetano. Isso são só referenciais.

Ama-se pelo cheiro, pelo mistério, pela paz que o outro lhe dá, ou pelo tormento que provoca.

Ama-se pelo tom de voz, pela maneira que os olhos piscam, pela fragilidade que se revela quando menos se espera.

Você ama aquela petulante. Você escreveu dúzias de cartas que ela não respondeu, você deu flores que ela deixou a seco.

Você gosta de rock e ela de chorinho, você gosta de praia e ela tem alergia a sol, você abomina Natal e ela detesta o Ano Novo, nem no
ódio vocês combinam. Então?…” (Leia e comente)

(PRIMEIRO PASSO) AMOR COMPANHEIRO

27/05/2010

TOLERÂNCIA, AFETO, DIÁLOGO E SINCERIDADE. EIS OS INGREDIENTES QUE NÃO PODEM FALTAR PARA SE CONSTRUIR UMA RELAÇÃO DURADOURA E FELIZ.

Bons Fluídos – Melissa Diniz

“Todo mundo busca, mas pouca gente consegue encontrar um amor que supere o maior dos desafios, o tempo. Qual seria o segredo para um casal continuar junto apesar das mudanças de temperamento dela, da teimosia dele e das inúmeras divergências de uma vida toda? “Tolerância e bom humor”, afirma a psicanalista Lidia Aratangy, que trabalha há mais de 30 anos com terapia de casais, ela mesma casada há quase 50 anos. Em seu livro O Anel Que Tu Me Deste – O Casamento no Divã (Primavera Editorial), Lidia reforça o que é senso comum: “Cada casal deve

Tolerância, afeto, diálogo e sinceridade. Eis os ingredientes que não podem faltar para se construir uma relação duradoura e feliz. amor (primeiro passo) companheiro talhar sob medida o vínculo que vai uni-lo, munido de disposição, coragem e humildade, empreendendo as reformas e consertos necessários para que o traje continue a lhes cair bem e a vestir confortavelmente a ambos, adequando- se…” (Leia e comente)

A INFINIDADE DE AMORES NA DOR DE EXISTIR

24/05/2010

DOSSIÊ: A TRADIÇÃO PSICANALÍTICA DE COMPREENSÃO DO AMOR

Cult – Nadiá Paulo Ferreira

“O discurso psicanalítico, ao investigar os fundamentos do amor, apresenta, de forma sistematizada, o que os poetas já sabiam: o encontro da verdade com o saber não decifra toda a verdade.

O desejo de saber o que o amor é esbarra com algo indizível. Assim, o que não pode ser dito e escrito converte o amor em “um mal, que mata e não se vê”, em “um não sei quê, que nasce não sei onde, vem não sei como, e dói não sei por quê” (Camões). Amar e saber o que é amar são coisas diferentes. Amar é um acontecimento que nunca se esquece; é inventar sentidos para a existência no mundo. Saber o que é amar é impossível, porque “quem ama nunca sabe o que ama; nem sabe por que ama, nem o que é amar” (Fernando Pessoa).

Diante da impossibilidade de saber toda a verdade, fala-se de amor. Isso é o que vem sendo feito há séculos. Platão, em O Banquete, retrata os lugares do discurso: o do amante e o do amado. Jacques Lacan (1901-1981) baseia-se no amor grego para articular o par amante-amado com a estrutura do amor. Aquele que experimenta a sensação de que alguma coisa lhe falta, mesmo não sabendo o que é, ocupa o lugar de sujeito do desejo (amante); aquele que sente que tem alguma coisa, mesmo não sabendo o que é, ocupa o lugar de objeto (amado). O paradoxo do amor reside justamente no fato de que o que falta ao amante é precisamente o que o amado não tem. Se Eros nasce de uma aspiração impossível, que é de dois fazer um,…” (Leia e comente)

PROCURA-SE UM GRANDE AMOR PELA INTERNET

11/04/2010

Correio Brasiliense – Mara Puljiz

“Encontrar uma pessoa especial para namorar parece ter se transformado em uma missão um tanto complicada para quem está solteiro em Brasília. Nos bares, boates e casas de shows da cidade, a paquera pode até acontecer -, mas, depois da festa, quase ninguém se anima a tentar algo mais sério com a pessoa que conheceu na noite anterior. Ligar no dia seguinte? Nem pensar. O tempo passa, a idade vem e a agonia da solteirice continua. Dadas as circunstâncias, a internet passou a abrigar um plano B. No site de relacionamentos Orkut, várias comunidades foram criadas para quem quer desencalhar.

Uma das mais populares é a Solteiros e Solteiras DF, com mais de 14 mil membros. Nela, os integrantes trocam e-mail, MSN e telefone, mas não fica apenas nisso. A conversa, que antes não ultrapassava os limites do mundo virtual, passou a exigir contatos diretos,…” (Leia e comente)

O AMOR E A VERDADE

02/12/2009

“O AMOR E A VERDADE ESTÃO UNIDOS ENTRE SI, COMO AS FACES DE UMA MOEDA. É IMPOSSÍVEL SEPARÁ-LOS. SÃO AS FORÇAS MAIS ABSTRATAS E MAIS PODEROSAS DESSE MUNDO.”
Mahatma Gandhi

DUAS CRIANÇAS PORTADORAS DO HIV ENCONTRARAM NA AMIZADE UMA ARMA NA LUTA CONTRA A DOENÇA

19/09/2009

hiv

“UNIDAS PELA DOR E PELA ESPERANÇA, ANA E DAVI PROTAGONIZAM
A MAIS COMOVENTE HISTÓRIA DE SOLIDARIEDADE E AFETO.
A VIDA DELAS É A PROVA DE QUE A BONDADE DO SER
HUMANO AINDA PODE TRIUNFAR”

Correio Brasiliense – Marcelo Abreu

“Há um mês, um anjo entrou naquela casa com cheiro de alfazema e paredes pintadas de verde, azul e laranja. Mudou a rotina de toda aquela gente. Não, não é uma história de faz de conta nem de fadas encantadas.

Aliás, esta história nada tem de mentirinha. É feita de dor, lágrimas, preconceito, quase fim, renascimento e uma esperança infindável. O anjo que chegou àquele lugar tem 7 anos, não anda, não fala, não enxerga. Mas escuta bem. É o sentido que o mantém ligado ao mundo. Que o faz sorrir. E o que o encanta…” (Leia mais e comente a matéria)

ELA QUER APRENDER COISAS NOVAS. “ELE JÁ APRENDEU”.

09/09/2009

previsivel

Época – Ruth de Aquino

“Era uma festa de quarentões. A conversa enveredou por viagens. Eu tinha ido a Maceió com meu namorado. Eu o sequestrei para uma pousada na Rota Ecológica de Alagoas, a 100 km da capital. Um paraíso. Mas meu homem não ficou tão extasiado quanto eu. Com o ócio, os coqueirais, o vento que leva à indolência, as piscinas naturais, a desconexão da realidade, tapioca, as conversas com os pescadores e as jangadas. Afinal…praia por praia, nós temos tantas no litoral do Rio, disse. Mais perto. Búzios. Sem pegar avião, depois estrada por duas horas. Mais cômodo. Normal. Normal?

Imediatamente, criou-se uma divisão na festinha. Dois times. As mulheres de um lado. Os homens do outro. Como se fosse uma queda-de-braço filosófica ou existencial. Mas com humor, risos e piadinhas de casais que aparentemente se amam…” (Leia mais e comente a matéria)

INVESTIGAÇÃO SOBRE O AMOR

11/07/2009

sophie Calle

Bravo – Armando Antenore

“É bem provável que Sophie Calle, a originalíssima artista contemporânea parisiense, ignore o samba de Chico. Mas, à beira dos 56 anos, sabe exatamente o que significa um coração partido e já mergulhou no mar de questionamentos que o naufrágio de um casal desperta. Tempos atrás, durante uma viagem à Alemanha, recebeu um e-mail do namorado, o escritor franco-argelino Grégoire Bouillier. Era uma mensagem de ruptura. Um fora. Uma despedida. Nos sete parágrafos da correspondência, Grégoire respeitava em parte o script que os amantes costumam seguir quando resolvem se afastar. Proclamava que nunca esqueceria Sophie e enaltecia a relação dos dois. No entanto, uma afirmação inusitada punha em xeque as mesuras diplomáticas,…” (Leia mais)

COISA DE ARTISTA

13/05/2009

comer

Por: Julia Mesquita

Técnica, amor e arte. Essa é a receita básica de três chefs – cada um à sua moda – para criar pratos que vão além de agradar ao olfato, à visão e ao paladar. As delícias preparadas por eles cuidam do corpo e alegram a alma

Mais do que cozinhar, Rita Taraborelli, Adriana Cymes e Renato Caleffi se preocupam em criar pratos cheios de boas energias. O segredo não está apenas em escolher ingredientes frescos e saudáveis. Eles se propõem a fazer mais: usar alimentos funcionais, resgatar receitas da infância ou adicionar doses adicionais de arte e sensibilidade ao ato de cozinhar. Rita desenha os ingredientes que acrescenta nas receitas, estabelecendo uma relação de cumplicidade. Na hora de montar um prato, a jovem chef valoriza as cores e as formas dos alimentos. Num menu de café da manhã, por exemplo, transforma as frutas em mandalas. O objetivo não é só estético, mas também espiritual. “Desfazer uma mandala, segundo o budismo, proporciona o aprendizado de lidarmos com a lei natural da impermanência.” Outra paixão de Rita é a ioga – atividade que também influência suas criações culinárias. “Cozinhar é um exercício de meditação. Durante a prática acontece o mesmo: surgem ideias para uma nova receita ou maneiras de reinventar um prato que experimentei numa viagem.” (Leia mais)