Posts Tagged ‘Budismo’

MEDITAÇÃO NÃO É RELAXAMENTO”: ENTREVISTA COM A MONJA ISSHIN

28/12/2016

n

Superinteressante por Karin Hueck

“VIVEMOS NUMA CULTURA DE INSATISFAÇÃO E AUTO REJEIÇÃO”, DIZ A LÍDER BUDISTA. PARA ELA, MEDITAR PODE SER A SOLUÇÃO.

Nascida em Washington, Kathy Havens chegou ao Brasil como musicista contratada pela Orquestra Filarmônica de São Paulo, em 1971. Já nesta época, ela flertava com o budismo. Mas sua iniciação se deu durante uma viagem ao Nepal e à Índia como intérprete. Na volta, se tornou discípula da Monja Coen, em 1996, e foi ordenada monja três anos depois, batizada de Isshin.

Psicanalista emonjam formação, missionária oficial, orientadora espiritual da Sanga Soto Zen Budista Águas da Compaixão, em Porto Alegre, e autora de livros de mindfulness, Monja Isshin, hoje com 68 anos, acredita que a meditação tem de se transformar em uma atitude perante a vida. “Queremos estar em um estado de atenção plena e total presença o tempo todo e não somente durante a meditação”,…  Continue lendo

TUDO ZEN

14/10/2009

mulher lendo

Vip – Liane Alves

“A expressão já caiu no domínio popular: ser zen significa ser tranquilo, gostar da natureza, meditar e fazer cada coisa com muita atenção e cuidado. Essa vertente do budismo, que se iniciou na China com o nome de chán e depois se instalou no Japão no século 5º, batizada de zen, inspira toda arte, literatura e sabedoria japonesas. Indicamos aqui oito livros que podem dar a você uma ideia mais clara do que é o zen. Melhor: como ele pode ser aplicado no seu dia a dia…” (Leia mais e comente a matéria)

O Zen na Cozinha Monja Gyoku Eku, CLA

O Zen na Cozinha Monja Gyoku Eku, CLA

ENREDO: livro que dá várias receitas da cozinha shôjin (baseada no princípio do zen) e ainda explica como o espírito con tem plativo pode ser pratica do durante a arte de cozinhar, escolher alimentos e apresentá-los. Foi escrito por uma monja zen brasileira, Gyoku Eku, que morou no Japão e hoje vive em Brasí lia, onde dirige um centro zen. Vegetariana, a cozinha shôjin procura preser var os sabores originais dos alimentos.
PRINCIPAL LIÇÃO: ao fazer um prato, imagine que você é um pintor diante de uma tela. Coloque cada alimento observando sua cor e textura e os arrume com harmonia, sem se distrair.

FELICIDADE EM BOA CONTA

13/05/2009

alegre

Por: Afonso Capelas Jr

Era uma vez um pequeno país que teve uma grande ideia: medir seu crescimento socioeconômico de acordo com indicadores do bem-estar individual de seus habitantes. Saiba como esse conceito inovador já está atraindo a atenção do mundo, incluindo o Brasil

Em certo dia do ano de 1986, no distante Butão – pequeno país encravado nas montanhas do Himalaia, onde atualmente vivem cerca de 700 mil habitantes, a maioria seguidora do budismo –, o rei Jigme Singye Wangchuck, de apenas 17 anos, questionado por um jornalista sobre a crise econômica que ameaçava seu reino, disparou: “Felicidade Interna Bruta [FIB] é mais importante que Produto Interno Bruto [PIB]”. O que – à primeira vista – poderia ser entendido apenas como uma frase de efeito de um nobre adolescente acabou por tornar-se a semente de um novo conceito para medir a saúde econômica e social de um país. “Naquele momento, nosso rei fez um importante alerta de como os indicadores do Produto Interno Bruto são frágeis”, observa o vice-presidente do Conselho Nacional do Butão, Dasho Karma Ura. “De fato, o mundo acumulou riquezas, mas não se pode dizer que estamos menos preocupados, tranquilos ou mais felizes.” (Leia mais)