Posts Tagged ‘Cinema’

A NETFLIX PODE SER UMA BOLHA – ASSISTA ANTES DE ELA ESTOURAR

06/11/2016

netflix-television

Super Interessante por Karin Hueck

OS SERVIÇOS DE STREAMING, QUE PRODUZEM ENTRETENIMENTO QUASE GRATUITO, PODEM ESTAR COM OS DIAS CONTADOS.

Se você – assim como nós aqui da redação – não tem uma vida social muito agitada, sabe que a Netflix vive lançando séries novas em seu catálogo. Boa parte delas são produções próprias: escritas, dirigidas e gravadas por eles mesmos, como os ótimos House of Cards, Narcos ou Stranger Things. Mas não é só a Netflix que produz seus seriados particulares: a HBO (com Game of Thrones e Westworld) e a Amazon (com Transparent e Mozart in the Jungle), por exemplo, também não ficam atrás, na esperança de cativar a nossa audiência e de nos tirar da frente de outros tipos de entretenimento gratuito, como o… Continue lendo

Anúncios

MENINAS INFLAMÁVEIS

28/10/2010

COM DUAS GATAS COMO PROTAGONISTAS, THE RUNAWAYS FALA SOBRE O ESPÍRITO DO ROCK DE VERDADE

Vip – Rodolfo Viana

“O ano é 1975. O Queen lança Bohemian Rhapsody, sua extravagância máxima; o Kiss ataca com Alive!; e o Iron Maiden sai das profundezas do inferno para seus primeiros ensaios. O rock absorve o que há de rebelde e pesado na música, e em pouco tempo surgiria o punk. Rock era coisa de homem, ainda que cheio de pancake, batom e rímel. Foi quando cinco meninas contrariaram o óbvio e criaram uma banda exclusivamente feminina: The Runaways. A mistura de explosão hormonal dos 16 anos com o ápice da loucura do rock’n’roll é o tema do filme que leva o nome do grupo e que sai este mês nos cinemas.

Com Dakota Fanning no papel da vocalista Cherie Currie e Kristen Stewart como a guitarrista Joan Jett, The Runaways conta a história curta e delirante da banda que rompeu com os padrões de uma década, quando garotas no palco eram xingadas…” (Leia e comente)

Assista ao trailer abaixo:


O PAPELÃO DA CRÍTICA

28/04/2010

COMO OS CRÍTICOS PERDERAM A FÉ – E A IMPORTÂNCIA

Época – Luís Antônio Giron

“A estudiosa Flora Sussekind foi cruel no ensaio que escreveu para o caderno Prosa & Verso do jornal O Globo de 24 de abril. Seu texto brutal me fez meditar não apenas sobre o exercício que faço todos os dias – o da resenha cultural não-acadêmica de livros, cinema, teatro, música – como principalmente sobre a função e importância da crítica hoje. Será que os críticos acabamos? E que estamos reduzidos a seres rastejantes, presas fáceis daquilo que desde Theodor Adorno chamam “indústria cultural”?

Eu senti Flora se debatendo contra o estado de coisas atual. No artigo, ela convida o leitor a matar pela segunda vez um colega meu, o crítico Wilson Martins. Tudo em nome da restauração da moral na vida cultural. “Talvez seja necessário, na discussão de um espaço ainda crítico para a crítica, matar mais uma vez Wilson Martins”, escreve Flora. Fazendo o papel de carrasca exumadora de cadáveres…” (Leia e comente)

O FENÔMENO STAR WARS EM DOCUMENTÁRIO

16/04/2010

AS OBRAS DE GEORGE LUCAS SE TORNARAM MAIOR
QUE ELE PRÓPRIO?

Super Interessante – Ana Carolina Prado

“Foram dois anos e meio de produção, 126 entrevistas e muita coisa – vídeos, paródias, depoimentos – enviada por fãs de Star Wars e do seu criador George Lucas, o que somou mais de 600 horas de material. Isso tudo resultou no documentário em forma de animação “O Povo Contra George Lucas” (The People Vs. George Lucas), que faz parte da programação do festival internacional de documentários É Tudo Verdade, que está rolando em São Paulo e no Rio de Janeiro até o dia 18 de abril.

O filme procura fazer um balanço do fenômeno Star Wars e da idolatria gerada no mundo inteiro, que atingiu um ponto,…” (Leia e comente)

69 – PRAÇA DA LUZ

22/10/2009

prostitutas

Prostitutas de idade avançada ganham a vida na Praça da Luz, em São Paulo. Relatos inusitados e surpreendentes de cinco mulheres que revelam em detalhes suas experiências em todos esses anos de profissão. (Veja o filme)

FESTIVAL MOÇAMBICANO DESTACA PRODUÇÃO BRASILEIRA E ALEMÃ

23/09/2009

moçambique

“A QUARTA EDIÇÃO DO DOCKANEMA, FESTIVAL DE DOCUMENTÁRIOS   DE MOÇAMBIQUE, INCLUIU MOSTRA ESPECIAL DE FILMES DO DIRETOR BRASILEIRO EDUARDO COUTINHO
E EXPOSIÇÃO DE FOTOS SOBRE O TRABALHO DO CINEASTA
ALEMÃO WERNER HERZOG.”

DW-Word.De – Adriana Jacobsen

“Durante nove dias, Maputo sediou uma mostra de cinema, um fórum de debates, oficinas de formação e eventos paralelos dentro do Festival do Filme Documentário Dockanema. Com forte presença de profissionais brasileiros, o evento foi realizado em parceria com o ICMA (Instituto Cultural Moçambique-Alemanha).

“O gênero documentário aborda assuntos que contribuem para uma maneira distinta e comprometida de pensar a nossa sociedade. O Dockanema é um convite a ‘pararmos’ o mundo por um instante para pensarmos”, diz Pedro Pimenta, o idealizador do festival criado em 2006 com o objetivo de fomentar a cultura visual em Moçambique.

Pela primeira vez, o Dockanema teve quatro ciclos em destaque: o cinema feminino africano, o cinema dos países africanos de língua portuguesa e as obras do angolano Ruy Duarte de Carvalho e do brasileiro Eduardo Coutinho…” (Leia mais e comente a matéria)

NÃO-HUMANOS SÃO PERMITIDOS AQUI

11/09/2009

distrito 9

CONVERSAMOS COM O BRASILEIRO QUE TRABALHOU
NA ANIMAÇÃO DOS ALIENÍGENAS DO FILME “DISTRITO 9”

Galileu – Denise Dalla Colletta

“Se, nas próximas semanas, você vir sinais estranhos pela cidade dizendo “não-humanos não são permitidos” ou “este ônibus é só para humanos”, prepare-se. A invasão alien estará próxima, ao menos nas telonas.

Estes são os teasers do filme “Distrito 9” que já estão rolando nos Estados Unidos e Canadá e logo deverão invadir nosso território. O filme é uma produção de Peter Jackson, diretor da trilogia “Senhor dos Anéis”, e é dirigido pelo sul – africano Neill Blomkamp…” (Leia mais e comente a matéria)

PARA ENFRENTAR A INTERNET, INDÚSTRIA CINEMATOGRÁFICA RESSUSCITA O 3D

04/09/2009

3d cinema

DW-Word.DE – Robert Bales

“O CINEMA EM 3D OFERECE ILUSÕES ESPACIAIS COM AS QUAIS O MONITOR DO COMPUTADOR NÃO PODE COMPETIR. MAS A TÉCNICA JÁ FRACASSOU JUNTO AO PÚBLICO NAS DÉCADAS DE 50 E 70, QUANDO OS INIMIGOS ERAM A TELEVISÃO E VIDEOCASSETE.”

“O público fixa a tela, hipnotizado: o monstro raptou a mocinha e a levou para sua caverna subaquática. Agora é hora de devorar rapidinho o vilão do filme. O monstro nada diretamente na direção da câmera, rompe os limites da tela e rodopia virtualmente pela sala de projeção.

E aí todo o mundo começa a passar mal. De início, os espectadores de óculos bicolores se sentem tontos, segue-se a náusea violenta. Os primeiros a vomitar são os da plateia, mais um pouco e a onda chega até os balcões…” (Leia mais e comente a matéria)

O cinema 3D não é mais o mesmo

UMA EXPERIÊNCIA RADICAL

25/08/2009

anticristo

Veja – Isabela Buscov

“BRUTALMENTE REALISTA NAS CENAS DE TORTURA, ANTICRISTO,
DE LARS VON TRIER, MERECE TODA A POLÊMICA QUE
LEVANTOU. É UM FILME SÁDICO – MAS TAMBÉM UMA
OBRA DE UMA CORAGEM HEROICA”

Lars von Trier é um diretor de imenso talento, e também um manipulador contumaz. Desde que começou a subverter o movimento do qual foi fundador – o Dogma, aquele da câmera na mão, iluminação natural e nada de trilha sonora –, o dinamarquês tem depurado, em filmes como Ondas do Destino, Dançando no Escuro e Dogville, um gênero que se poderia definir como melodrama experimental, no qual aplica surpreendentes inovações narrativas à missão ancestral de induzir tanto seus atores quanto os espectadores ao sofrimento. Manipular, porém, é algo que se faz pela ambição do controle, e é natural que Von Trier parecesse se colocar à parte, ou mesmo acima, das emoções que instigava. Em Anticristo (Antichrist, Dinamarca / Alemanha / França, 2009), entretanto, o diretor pela primeira vez cruza essa linha: no filme que estreia nesta sexta-feira no país, Von Trier mostra estar também ele sendo fustigado pelos sentimentos tremendos desencadeados pela história. Não por acaso, no último Festival de Cannes ele conseguiu assim pôr em estado de choque uma plateia que não só é a mais blasée do mundo como está preparada…” (Leia mais)

AS TÁBUAS DA LEI DO TERROR

19/08/2009

terror

Bravo – Rodrigo Salem

“ARRASTA-ME PARA O INFERNO”, NOVO FILME DE
SAM RAIMI, CONTRARIA PONTO POR PONTO A CARTILHA DAS PRODUÇÕES DO GÊNERO. EXATAMENTE POR ISSO, É ÓTIMO

“Quando era estudante de letras e história na Universidade de Michigan, Sam Raimi decidiu que faria filmes, mas não sabia por onde começar. O passo óbvio seria fazer uma escola de cinema e iniciar a profissão como um mortal comum. Mas Raimi nunca teve a vocação para seguir regras. Passou a fazer comédias bobas em Super-8 e anunciava exibições baratas no jornal local. O jovem cineasta ficava nas exibições para ver como a plateia reagia a seus erros e acertos. Empolgado com a evolução da sua técnica, Sam gastou todas as suas economias (US$ 4 mil) para alugar uma sala de cinema e projetar uma de suas obras amadoras. Apenas uma pessoa apareceu… e saiu dez minutos depois, gritando palavras de baixo calão.

A experiência não desanimou o futuro diretor. Quando ele resolveu investir US$ 40 mil em um filme de terror aos 21 anos,…” (Leia mais)

Assista ao Trailer