Posts Tagged ‘Esporte’

QUER SE EXERCITAR MELHOR? PENSE NA MORTE

03/11/2016

255248__mood-mood-minimalism-walk-dad-son-biking-nature-ptiny_p

Super Interessante por Felipe Germano

UM ESTUDO AMERICANO APONTA QUE ATLETAS QUE PENSAM NA MORTE POUCO ANTES DA PRÁTICA DE EXERCÍCIOS, TÊM RESULTADOS MELHORES

Se você é do tipo que prefere sempre pensar em coisas boas, meus pêsames, mas seus colegas mais fúnebres provavelmente são melhores atletas do que você. Uma pesquisa da Universidade do Arizona está cravando que dar uma pensadinha, mesmo que rápida, sobre a morte, melhora seus resultados esportivos.

Para chegar a essa conclusão os pesquisadores fizeram dois estudos. No primeiro, armaram jogos de basquete no formato um contra um, em que participantes competiam com um pesquisador à… Continue lendo

 

Anúncios

ADOLESCENTES: MAIS ALTOS, GORDOS E PREGUIÇOSOS

04/07/2010

ESSE É O RETRATO ATUAL DOS JOVENS BRASILEIROS.
COMO MELHORAR A SAÚDE DELES?

Saúde é Vital – Paula Desgualdo

“Em uma tarde de sexta-feira do mês de abril, 21 meninas chegam à Rua Botucatu, no bairro da Vila Clementino, em São Paulo. Mochila ou bolsa pendurada em apenas um dos ombros, elas ocupam quase todas as carteiras de uma pequena sala e enchem o espaço com vozes e risadas. Além da faixa de idade, que varia entre 13 e 16 anos, têm em comum uma meta, reproduzida quase como um mantra: comer a cada três horas, não repetir e não beliscar.

Ali, na casa número 715, fica o Centro de Atendimento e Apoio ao Adolescente da Universidade Federal de São Paulo. As garotas participam voluntariamente do Programa de Atividade para o Paciente Obeso, o Papo. O tema do encontro nesse dia: o tamanho das porções. A fatia de melão, ensina a nutricionista Simone Freire, não deve ser mais larga do que uma caixa de fósforos.

Quantidades descomedidas à mesa ajudam a engordar a prevalência de obesidade em crianças e jovens brasileiros, que hoje é de 9%. “Nos anos 1960, a porção de batata frita era um terço menor que hoje”, compara a hebiatra Ines Pardo, coordenadora do projeto Adolescente Saudável,…” (Leia e comente)

FAZER HORAS EXTRAS PODE AUMENTAR EM 60% RISCO DE DOENÇAS CARDÍACAS

31/05/2010

BBC Brasil

“Fazer horas extras diariamente, trabalhando entre 10 e 11 horas por dia, pode aumentar em 60% os riscos de doenças cardíacas, de acordo com um estudo publicado no site da revista especializada European Heart Journal.

A conclusão é o resultado de uma pesquisa com 6 mil funcionários públicos britânicos e descontou fatores de risco cardíaco tradicionais, como fumo.

Segundo os autores, o estudo mostra a importância do equilíbrio entre trabalho e tempo livre.

Ao todo, foram verificados 369 casos de pessoas que sofreram doenças cardíacas fatais, tiveram infartes ou desenvolveram angina.

Em vários casos, os médicos constataram um forte vínculo com o número de horas trabalhadas.

Personalidades ‘tipo A’

Entre as explicações para essa relação, estariam o menor tempo para exercícios e relaxamento, além de estresse, ansiedade e depressão.

Além disso, os médicos dizem ter identificado uma relação entre pessoas muito dedicadas à carreira…” (Leia e comente)

UNIVERSITÁRIO CRIA PRANCHA DE SURF DE BAMBU

12/05/2010

BIODEGRÁVEL, MAIS RESISTENTE E MAIS BARATO, O BAMBU SUBSTITUIU O POLIURETANO NO PROJETO DE ESTUDANTE E DEIXA OS SURFISTAS MAIS PRÓXIMOS DAS CAUSAS ECOLÓGICAS

Galileu

“Móveis, utensílios de cozinha e até guitarras já estão sendo fabricados usando o bambu como matéria prima. O aluno de Desenho Industrial da Universidade do Estado de Santa Catarina, Bruno Corrêa de Araújo, seguiu a tendência e criou, com a ajuda de Tiago Matulja, da Flora Ecoboards, uma prancha de surf que pretende ser ecológica, utilizando bambu laminado e resinas naturais.

O projeto, apresentado por Bruno como Trabalho de Conclusão de Curso, possui a intenção de ser mais sustentável, já que as pranchas convencionais, na maioria das vezes, são feitas de poliuretano, um plástico que demora séculos para se desfazer no meio ambiente. O bambu, por outro lado, é biodegradável,…” (Leia e comente)

CARISMA, VITÓRIAS E MORTE FORMAM ELEMENTOS NA CRIAÇÃO DO MITO SENNA

21/03/2010

DE ACORDO COM JORNALISTAS QUE ACOMPANHARAM A CARREIRA DE AYRTON SENNA, A IDOLATRIA EM TORNO DELE SE PERPETUOU GRAÇAS A UMA SÉRIE DE ELEMENTOS. DESDE O TALENTO
NATO ATÉ A MORTE TRÁGICA E AO VIVO

Warm Up – Luana Marino

“Dentre todos os ídolos que o Brasil teve no esporte ao longo da história, como Ronaldinho, Romário e Pelé no futebol, César Cielo na natação e Gustavo Kuerten no tênis, nenhum marcou tanto quanto Ayrton Senna. Mesmo depois de 16 anos da sua morte, a imagem do brasileiro carregando a bandeira após as vitórias, bem como a forma com a qual ele tomava o banho de champanhe no pódio ainda são lembradas com muito saudosismo pelos fãs. Mais que isso: todos os movimentos e frases ditas por Senna foram eternizadas após aquele trágico fim de semana em San Marino. Mas a construção do mito Ayrton Senna é algo que vai além do indiscutível talento que o brasileiro tinha para pilotar.

Para se entender tal idolatria em torno de Senna, é necessário avaliar alguns pontos separadamente. No entanto, uma coisa é clara e unânime entre jornalistas especializados que acompanharam a carreira do piloto: Senna não seria um dos principais ídolos do esporte mundial se não tivesse resultados, não fosse bom e, acima de tudo, se não vencesse. “Não fosse isso, não haveria marketing no mundo capaz de transformá-lo num ídolo”, afirmou Flavio Gomes, jornalista do site Grande Prêmio, dos canais ESPN de rádio e de TV e da rede “Bom Dia” de jornais…” (Leia e comente)

Instituto Ayrton Senna faz homenagem aos 50 anos do piloto

SURF SOCIAL

06/03/2010

APADRINHADO POR TECO PADARATZ, PROJETO SOCIAL EM FLORIPA RESGATA JOVENS JURADOS DE MORTE

Trip – Diogo Rodriguez / Fotos: Fábia Hafermann

“O projeto Procurando Caminhos, do Centro Cultural Escrava Anastácia, procura auxiliar 80 jovens pobres das periferias de Florianópolis envolvidos com o tráfico e consumo de drogas oferecendo aulas de surf e oficinas profissionalizantes. Teco Padaratz, surfista e nativo da cidade, assumiu o papel de padrinho: ajuda a entidade a organizar campeonatos e dá palestras aos garotos e garotas.

Em 2007, 25 jovens de Monte Cristo, comunidade pobre de Florianópolis, foram jurados de morte. Membros de uma gangue, eles estavam na lista negra de rivais de um bairro vizinho, Novo Horizonte. “Eles chamaram as lideranças comunitárias, a diretora da escola, a prefeitura. Conversaram: ‘A gente está marcado para morrer e não quer morrer’. Quem era da [secretaria da] educação não pôde fazer nada, quem era da assistência social também não pôde fazer nada, todas os órgãos públicos se eximiram da responsabilidade”, conta Adriana Niehues, coordenadora do projeto.

Era importante evitar que os dois grupos de cruzassem, então os garotos de Monte Cristo passaram a contar com a proteção dos integrantes do projeto. Um ônibus foi usado para deslocar os surfistas aprendizes até a praia. Longe da violência e do tráfico começaram a aprender como pegar ondas, receber treinamento profissional, assessoria jurídica e incentivos…” (Leia e comente)

DEPOIS DE CONVERSA COM JOBSON, ESTEVAM RESSALTA IMPORTÂNCIA DE AJUDAR ATACANTE

21/01/2010

TODOS MERECEM UMA SEGUNDA CHANCE

TÉCNICO DIZ QUE JOGADOR ESTAVA EM ‘ESTADO DE CHOQUE’ AO CHEGAR A GENERAL SEVERIANO APÓS CONDENAÇÃO
POR USO DE COCAÍNA

Globo.com – Gustavo Rotstein

“Depois de receber a condenação de dois anos de suspensão por uso de cocaína, na noite da última terça-feira, Jobson foi a General Severiano, onde recebeu o apoio dos ex-companheiros de Botafogo. Embora tenha recusado o convite de se juntar ao grupo na última refeição do dia, o atacante conversou com algumas pessoas, uma delas o técnico Estevam Soares, que mostrou-se solidário com o drama vivido pelo atacante, que no tribunal admitiu ter consumido crack.

– Quando ele chegou à minha sala, estava em estado de choque. Acho que não quis participar da refeição conosco por sentir-se constrangido diante dos jogadores que não conhecia. Mas disse a ele que tivesse fé e força, pois daqui a algum tempo nós vamos rir de tudo o que está acontecendo. Todos nós somos passíveis a erros e acertos, e o mais importante é incentivar o Jobson para que ele enfrente este momento. Será preciso confiança e cabeça tranqüila – disse.

Mais tarde, em entrevista ao “Arena SporTV”, Estevam propôs que os clubes e os profissionais do futebol repensem a responsabilidade que têm com os atletas…” (Leia e comente)

A HORA DA BIKE

18/01/2010

A PRÁTICA DE 30 MINUTOS DIÁRIOS AJUDA A COMBATER DOENÇAS CRÔNICAS COMO OBESIDADE, HIPERTENSÃO E DIABETES. DE QUEBRA, VOCÊ ESTARÁ INVESTINDO EM UMA ALTERNATIVA DE TRANSPORTE INTELIGENTE PARA FUGIR DOS CONGESTIONAMENTOS

VivaSaúde – Ivan Alves

“Aliar a prática esportiva à rotina das grandes cidades é uma tarefa árdua. Reunir energias para encarar exercícios antes ou depois de um dia de trabalho e de horas preso no trânsito é uma atitude louvável. A complicada rotina dos grandes centros faz que cada vez mais pessoas procurem alternativas para manter a saúde em alta. Adotar a bicicleta como meio de transporte aparece como uma saída de multibenefícios: faz bem ao corpo e à mente, poupa tempo, diverte e não polui o ambiente.

Segundo Páblius Staduto Braga da Silva, médico do esporte do Hospital 9 de Julho, pedalar com frequência combate a obesidade e a pressão alta. “O corpo submetido regularmente aos treinos recorre à gordura corporal como fonte energética, fazendo que os praticantes percam peso e aumentem a resistência”. O especialista aponta a atividade como uma aliada contra o diabetes. A doença se dá pela baixa produção de insulina no organismo, uma das substâncias responsáveis por metabolizar o açúcar para a corrente sanguínea e mantê-lo em níveis normais. O exercício, por sua vez, faz que o coração do praticante trabalhe melhor e ele precise de menos insulina; fator que também colabora para que o oxigênio chegue mais facilmente aos músculos,…” (Leia e comente)

‘NÃO SE PODE ACEITAR A REALIDADE’

08/11/2009

rai

“JOGAR JUNTO MUDA O MUNDO”. O SLOGAN DA ONG ATLETAS PELA CIDADANIA ESTAMPARÁ UM SELO A SER LANÇADO SIMULTANEAMENTE NO BRASIL E NA EUROPA EM MARÇO DE 2010, EM PARCERIA COM A ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU).

CartaCapital – Ana Luísa Vieira e Daniel Pinheiro

“O apoio da ONU à associação decorre da criação de um fundo patrimonial, que tem como objetivo patrocinar as ações da ONG. Presidida pelo ex-jogador de futebol Raí Souza Vieira de Oliveira, a Atletas pela Cidadania conta hoje com 35 esportistas de diferentes modalidades, dispostos a defender os direitos dos jovens. Os resultados começam a aparecer. Um deles, o aumento da fiscalização sobre a Lei do Aprendiz, que determina que empresas de médio e grande porte devem reservar entre 5% e 15% de suas vagas a aprendizes.

Graças à atuação conjunta com o Ministério do Trabalho, o número de postos oferecidos para trabalhadores de 14 a 24 anos passou, em menos de um ano, de 56 mil para aproximadamente 160 mil contratados. Com base nos Fóruns realizados pela ONG, o Ceará, por exemplo, registrou crescimento de 65% na quantidade de jovens empregados. “Puxamos uma legislação que estava parada. O governo assumiu como meta criar 800 mil vagas até o final de 2010. É o máximo que uma instituição de lobby pode conseguir”, afirma Raí.

Nesta entrevista concedida a CartaCapital, um dos grandes ídolos do futebol brasileiro esmiuça o trabalho cidadão, explica por que se recusa a adentrar a política partidária e cobra atenção com eventuais gastos exacerbados nos Jogos Olímpicos de 2016. “Acredito na oportunidade, mas é preciso que a sociedade fiscalize e que haja transparência”, diz o ex-jogador. “Não temos uma política nacional de esporte. Se já era necessidade, agora virou obrigação.”…” (Leia e comente)

CORPO SEM LIMITES

25/10/2009

mao mecanica

“COMO A CIÊNCIA ESTÁ CONSTRUINDO A NOVA ETAPA DA
EVOLUÇÃO: VAMOS VIVER MAIS, MELHOR E COM
CAPACIDADES SOBRE-HUMANAS”

Galileu

Sem limites
Dean Karnazes vive de desafiar o corpo e a ciência. Já correu 563 km sem parar e diz que pode mais

Dean Karnazes gosta de dizer que é um cara de sorte. Para ele, sua capacidade de correr 563 quilômetros sem parar, enfrentar 50 maratonas em 50 dias seguidos ou suportar 40 graus negativos em um prova no Polo Sul não passa de uma coincidência feliz. “Tenho apenas um bom corpo e uma baita sorte por poder viver dele.” O corredor diz isso com um sorriso que quase convence que ele é um cara comum. “Fui colocado na Terra para correr. Simples assim.”

Mas, por trás dessa aparente simplicidade, esconde-se alguém com uma profunda vontade de ultrapassar os limites humanos. Aos 46 anos, o americano quer saber qual é o máximo que seu corpo suporta. Foi assim, afinal, que ele começou a correr, 16 anos atrás.

No dia em que festejava seus 30 anos, com o organismo lubrificado de tequila, Karnazes teve um estalo: tirar a roupa e sair correndo. Na hora, a ideia pareceu excelente. Vinte quilômetros depois,…” (Leia mais e comente a matéria)