Posts Tagged ‘Filantropia’

A MULHER QUE CONSTRÓI FACES

09/12/2010

Projeto Generosidade

“Existe um poema de autoria de George Elliot intitulado Stradivarius.
Stradivarius foi um famoso fabricante de violinos, cujos instrumentos, hoje com mais de duzentos anos, tem um valor altíssimo. E no poema, ele diz o seguinte:
Se minha mão falhasse,
Estaria roubando a Deus- que é sumamente bom-
Deixando um vácuo na história dos violinos.
Ele não poderia ter feito os violinos de Antonio Stradivarius, Sem Antonio.
Cada um de nós, em nossa época, somos o instrumento que Deus usa para realizar algo. Durante várias eras, ele esperou que surgisse uma pessoa como nós. Se nos recusarmos a cooperar com o Senhor, ele perderá a oportunidade de fazer aquilo que deseja por nosso intemédio. Além disso, ele não terá outra chance, pois nunca mais haverá na terra outra pessoa exatamente como nós.”(Lettie Cowman “Mananciais no Deserto”, vol.2,Ed. Betânia)

Dra. Vera Lúcia Nocchi Cardim é uma dessas mulheres maravilhosas que faz diferença no mundo. Gaúcha graduada em medicina pela Federal do Rio Grande do Sul, veio para São Paulo fazer doutorado em cirurgia na Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa, acabando por fixar residência na capital paulista. Cirurgiã plástica renomada, consultório nos Jardins, clientela vip, entrada aberta nos melhores hospitais, em um certo momento teve um insight : “ eu não quero fazer cirurgias apenas estéticas. Há tantas pessoas, tantas crianças que nascem com defeitos na face e não tem condições de pagar uma cirurgia reparadora…”
E decidiu : “Vou ajudar essas pessoas.”
Muitas foram as dificuldades iniciais, falta de leitos, falta de vagas em centros cirúrgicos e UTI’s,…” (Leia e comente)

Anúncios

VIVER PARA O PRÓXIMO

14/09/2009

ibs

“ADVOGADO CRIA INSTITUTO E REALIZA SONHO
DE LEVAR EDUCAÇÃO, SAÚDE E CULTURA
A MAIS DE 300 MIL BRASILEIROS CARENTES”

Isto É – Larissa Domingos

“Quando descobriu, aos 20 anos, que estava com diabetes, o advogado Luis Eduardo Salvatore decidiu ser feliz. Isso para ele significava realizar alguma coisa para melhorar a vida das pessoas mais carentes. Decidiu deixar o emprego, abdicar da carreira e seu primeiro passo foi viajar para uma aldeia no Alto Xingu, onde encontrou o que realmente queria fazer: ajudar a quem precisava a ter acesso a educação, saúde e cultura. Em troca da permissão para entrar na aldeia e fotografar os costumes indígenas, prometeu levar dentistas para cuidar da saúde bucal dos índios. Ao ver o resultado, ficou encantado com a experiência…” (Leia mais e comente a matéria)

COM AS MÃOS NA MASSA

24/08/2009

refeitoria do bem

Planeta

“COMO A SOCIEDADE AGOSTINIANA DO BRASIL ESTÁ
ALIMENTANDO MILHARES DE PESSOAS CARENTES,
SEM RECORRER A VERBAS PÚBLICAS”

“São 10h30. Seu Antônio é um dos primeiros a chegar.
A fila ainda Acredite no brasilnão está tão grande como ficará daqui a duas horas. Na porta, ele apresenta o seu cartão de identificação à recepcionista. Pronto! Agora é só entrar e se servir: saladas, arroz, feijão, carne, verduras, suco, fruta ou doce. Hora de almoçar. Esse é um ritual que se repete desde 2002, quando o Refeitório Popular Santo Agostinho foi criado pelos padres católicos da Sociedade Agostiniana de Educação e Assistência Vicariato Regional do Brasil, no centro de Bragança Paulista, interior de São Paulo. A partir daí, de segunda a sexta-feira, o local, de impecável limpeza, oferece uma refeição caseira e totalmente gratuita às pessoas carentes, sempre das 10h30 às 14 horas. Aos sábados, domingos e feriados, o horário muda um pouquinho: das 11 horas às 16 horas.

Como seu Antônio, mais outras 3 mil pessoas daquele município são beneficiadas com uma refeição balanceada na hora do almoço. Isso apenas em…” (Leia mais)

O MUNDO DO (RE)COMEÇO

05/06/2009

Projeto Generosidade 2009

MAURO “Relato de duas experiências de trabalho em países em situação de pós-conflito
(Re)começar… Todo recomeço significa incerteza, o novo é sempre um desafio a ser vencido e novas experiências a serem vivenciadas. Quando é intencional, se quer mudar algo que não está bem, esse recomeço pode ter um sabor de liberdade e de conquista, uma vez que se é capaz de ir em busca de algo melhor para si por vontade própria. Porém o recomeço de vida não é uma opção, é uma imposição, para os milhares de refugiados e deslocados internos espalhados pelo mundo em áreas de conflitos ou de desastres naturais.
Seja por causas naturais ou geradas pelo próprio homem, para fugir da morte, esses refugiados são forçados a deixar suas regiões de origem e irem em busca da própria sobrevivência em áreas mais seguras ou de menor risco.”
(Leia mais)