Posts Tagged ‘Jornalismo’

A DESINFORMAÇÃO COMO ESTRATÉGIA POLÍTICA DESAFIA O JORNALISMO

10/12/2016

banner

Observatório da Imprensa por Carlos Castilho

O presidente eleito dos Estados Unidos Donald Trump não é o primeiro político a usar a desinformação para encurralar adversários e seduzir eleitores, mas ele é seguramente quem a oficializou como estratégia prioritária de comunicação nas semanas que antecedem a mudança de governo na nação mais poderosa do planeta.

Desinformação é o processo pelo qual uma notícia falsa, parcialmente falsa, conceitos distorcidos ou fatos fora de seu contexto são sistematicamente difundidos por… Continue lendo

Anúncios

A IMPRENSA CANSADA

19/11/2010

Observatório da Imprensa – Alberto Dines

“Vinte dias depois de terminada uma das mais renhidas campanhas eleitorais, a chamada grande imprensa ainda não conseguiu se reencontrar. Parece nocauteada: não recuperou a sua energia, entonação, nem a velha dimensão.

Perdeu o jeito – na verdade a grande imprensa ficou pequena. Não conseguiu adaptar-se à súbita mudança nas esferas do poder. Parece de ressaca.

Não percebeu que até o dia 31 de outubro dependia exclusivamente do presidente da República, era viciada em Lula, ele comandava o espetáculo, ele comandava o noticiário. Agora, o presidente recolheu-se, passou a operar nos bastidores enquanto a sucessora está completamente absorvida pelo desafio de montar a sua equipe,…” (Leia e comente)

LEITORES DÃO SHOW DE JORNALISMO

08/04/2010

Observatório da Imprensa – Larissa Morais

“O dia em que o Rio de Janeiro parou, submerso por chuvas de abril, entra para a história do jornalismo brasileiro como marco da participação dos leitores no noticiário. No fim da manhã, enquanto muitos jornalistas ainda tentavam chegar às redações, ilhados como tantos cariocas, sites de notícias já veiculavam fotos, vídeos amadores e depoimentos de cidadãos registrando o caos instalado em toda a cidade.

A força desse conteúdo levou ao noticiário áreas da cidade normalmente esquecidas pela grande imprensa: Pavuna, Olaria, Rocha Miranda, Niterói e São Gonçalo, entre outras. Sim, no dia em que a Lagoa Rodrigo de Freitas transbordou, Rocha Miranda teve um lugar na cobertura.

O site do Globo, que desde 2006 vem apostando no jornalismo participativo, inovou ao produzir, com a ajuda dos leitores, um mapa da devastação na cidade. A equipe de arte apontou no Google Maps pontos de alagamento, locais de acúmulo de lixo e lama, pontos de deslizamento e postos de doação. Navegando pelo mapa…” (Leia e comente)

OS FRIAS DEFENDEM A DEMOCRACIA CONTRA AS CRIANÇAS BRASILEIRAS

15/10/2009

crianças copy

Agência Carta Maior – Emir Sader

“A família Frias é uma família democrática. O pai, democraticamente, legou ao filho a direção da empresa que dirigia há décadas, para garantir que continue sendo uma empresa defensora da democracia.

O filho, desde então, é democraticamente reeleito pelo Comitê Editorial para dirigir a empresa do seu pai. Escreve democraticamente os editoriais do jornal para expressar a opinião da empresa, sem consulta aos jornalistas – que ele mesmo escolhe e demite para democraticamente trabalhar na empresa…”

“…Na semana passada a empresa democrática prestou mais um serviço à democracia brasileira, ao desmascarar o governo federal, que pretende – de forma demagógica, populista, com recursos públicos – cometer mais um crime contra a democracia: doar gratuitamente uniformes escolares para 50 milhões de crianças. Não importa o fato, mas que, alem de gastar recursos dos impostos que a empresa não paga ao governo, fazê-lo em ano eleitoral (dois dos quatro anos do mandato são eleitorais, o que deveria fazer com que um governo democrático se abstivesse desses atos populistas pelo menos durante a metade do seu mandato, cumprindo com os mandatos democráticos do Estado minimo).

Danem-se os 50 milhões de crianças. Afinal, não são consumidores das mercadorias produzidas pelas empresas Frias, não consomem automóveis do ano, não viajam três vezes por ano ao exterior, não bebem uísque importado – em suma, não são leitores que interessem…” (Leia mais e comente a matéria)

A IMPRENSA VERDE

15/10/2009

peixe copy

Observatório da Imprensa – Luciano Martins Costa

“Os debates sobre a questão ambiental há muito ocupam lugar de destaque na agenda econômica internacional. O tema conquistou espaço entre os indicadores de desempenho dos investimentos, com referências rotineiras nos principais órgãos informativos do mundo, tanto no papel como na televisão e na internet, por meio do acompanhamento do valor das ações dos chamados fundos sustentáveis.

O mais importante desses indicadores, o Índice Dow Jones de Sustentabilidade, completou dez anos em setembro, consolidando-se como principal parâmetro para a análise dos investimentos em negócios chamados socialmente responsáveis.

O histórico desses indicadores e dos fundos de investimentos formados por ações de empresas que lideram esse movimento no mundo financeiro revela um desempenho regularmente superior ao das demais companhias de capital aberto e menor vulnerabilidade desses papéis às oscilações do mercado. No entanto, a imprensa brasileira ainda trata essa vanguarda como uma faixa marginal do ambiente de negócios…” (Leia mais e comente a matéria)

A IMAGEM DOS JOVENS NA IMPRENSA

13/10/2009

jovens

Observatório da Imprensa – Ligia Martins de Almeida

“O desemprego entre os jovens, tema dos jornais na semana que passou, só foi discutido – ou melhor, noticiado – porque foi divulgada, pelo IBGE, uma pesquisa sobre o assunto. Mostra a pesquisa: “Mais de 1,2 milhão de jovens de 18 a 24 anos não exerciam, em 2008, nenhuma atividade produtiva no Brasil. Essa enorme ociosidade juvenil – 1.245.270 pessoas que não estudavam, não trabalhavam e não ajudavam em atividades domésticas – atingia 5,37% dos 23.242.000.000 brasileiros desta faixa etária no País. Ela se deve, em boa parte, ao desemprego”. (O Estado de São Paulo, 10/10/09).

Para não dizer que se limitou a divulgar os dados oficiais, o jornal fez um box na matéria, mostrando a rotina de um grupo de jovens que passam o dia numa pista de skate no bairro da Penha (em São Paulo), de onde só saem de madrugada, segundo um dos entrevistados.

A escolha dos personagens foi, no mínimo, infeliz. Em vez de ir a uma pista de skate e entrevistar jovens que não gostam muito de estudar, não ajudam nos trabalhos domésticos ou que vivem do seguro desemprego, teria sido mais proveitoso ir procurar as filas na porta de empresas que colocam anúncios de emprego e conversar com os que estão esperando uma oportunidade. Mostrar “desocupados” que aproveitam o tempo numa pista de skate acaba levando…” (Leia mais e comente a matéria)

TRAMAS URBANAS PARA DOWNLOAD

13/10/2009

tramas urbanas

Portal Literal

“A música, a moda, as artes plásticas, o jornalismo, entre outras vertentes da cultura urbana tem ganhado cada vez mais espaço nas periferias. O enfoque da periferia produzindo para os pares e para o mundo, sem precisar da tutela que um dia achou-se necessária (pelos que nunca foram da periferia) é cada vez mais a regra.

A coleção Tramas Urbanas, da Aeroplano Editora, trouxe, em sua primeira leva, dez livros que abordam esta crescente produção cultural. São eles Acorda hip-hop!, do DJ TR; Cidade ocupada, de Ericson Pires; Cooperifa, de Sérgio Vaz; Daspu, de Flavio Lenz; Favela toma conta, de Alessandro Buzo; Poesia revoltada, de Écio Salles, História e memória de Vigário Geral, de Maria Paula Araújo e Écio Salles; Notícias da favela, de Cristiane Ramalho; Tecnobrega, de Ronaldo Lemos e Oona Castro (orgs.); e Trajetória de um guerreiro, de DJ Raffa. E agora disponibiliza todos os volumes para download gratuito. É só clicar e conferir.

Leia trechos do release da coleção, que em breve lança outros dez títulos:

A cultura produzida na periferia é a grande novidade do século XXI e já começa a gerar inúmeros trabalhos acadêmicos, seminários e teses. Mais ainda: os novos movimentos culturais gerados em favelas e periferias das grandes cidades repercutiram com tamanha força que saíram dos limites da exclusão e estão dando origem a uma nova cultura…” (Leia mais e comente a matéria)

Livros da coleção Tramas Urbanas, na íntegra para download

INDÚSTRIA DOS JORNAIS BRASILEIROS IGNORA TRANSPARÊNCIA PARA MANTER CACOETE

19/09/2009

lendo jornal

Observatório da Imprensa – Carlos Castilho

A salvação dos jornais não está nos favores governamentais e nem em novos negócios privados mas na prestação de serviços ao leitor. Esta verdade acaciana, que chega às raias do óbvio, é sistematicamente negada pela indústria dos jornais, não só aqui no Brasil, como na maior parte do mundo.

Há toda uma cultura empresarial nos jornais brasileiros que obstrui o seu relacionamento com os leitores. O primeiro grande obstáculo foi a estratégia de vender público a anunciantes, como forma de obter receitas de publicidade. Isto equivale a transformar o leitor em mera moeda da troca, sem levar em conta necessidades e desejos dos compradores de jornais.

O  segundo obstáculo, é o mito de que os jornais sabem o que é bom para seus leitores. Mito porque os jornalistas são treinados para produzir notícias e não tem a formação sociológica ou psicológica para interpretar o que as pessoas desejam ou…” (Leia mais e comente a matéria)

UMA PERGUNTA PARA A IMPRENSA: E DAÍ?

06/08/2009

jornal

Observatório da Imprensa – Luiz Weis

“Se a imprensa fosse uma forma de medicina, a sua especialidade seriam crises agudas e não doenças crônicas.

Notícia, em sentido estrito, é o acontecimento que irrompe, não a situação conhecida que prossegue – embora raramente sejam claras as fronteiras entre o novo e o velho.

Quando apresenta as conexões de uma coisa com a outra, o jornalismo vai além de sua função primária de dar as últimas. Nessas ocasiões, se distingue como fonte de transmissão de conhecimentos e não apenas de informações pontuais, singulares.

A sua dificuldade hoje em dia é conciliar a função de pôr os fatos em perspectiva, em histórias mais elaboradas e mais extensas, com um público cuja capacidade de concentração pode ser medida, no limite, pela consagração da brevidade do Twitter, em seus já célebres 140 caracteres por mensagem.

Muita gente critica a imprensa pela sua superficialidade, … (Leia mais)

JORNALISMO DE INSINUAÇÃO (E DE EXCLUSÃO)

10/06/2009

grafico

Observatório da Imprensa

“O tipo de cobertura jornalística praticado pelos jornalões aparentemente não se interessa em conquistar novos leitores.”

“Em princípio, uma cobertura equilibrada, que represente todos os lados envolvidos nas questões, seria aquela capaz de conquistar credibilidade e atrair o maior número de leitores – vale dizer, contemplar leitores de diferentes opiniões.” (Leia mais)