Posts Tagged ‘Meio Ambiente’

SACOLAS PLÁSTICAS: DE ONDE VÊM, PARA ONDE VÃO

10/08/2011

PEGAR SACOLINHAS EM QUALQUER COMPRA VIROU SE TORNOU UM HÁBITO PARA MUITA GENTE. O QUE A MAIORIA DESCONHECE É O IMPACTO QUE ELAS PODEM CAUSAR AO MEIO AMBIENTE E, CONSEQUENTEMENTE, NA VIDA DAS PESSOAS E DOS ANIMAIS. AGORA, PARE PARA PENSAR E RESPONDA: É REALMENTE NECESSÁRIO USAR TANTA SACOLA PLÁSTICA?

Planeta Sustentável – Mônica Nunes e Ana Luíza Vastag

“Muitas vezes sem saber, ao fazermos compras no supermercado, na padaria, na livraria, na loja de brinquedos, na farmácia… e guardarmos tudo – seja de que tamanho ou quantidade for – em sacolas plásticas, estamos contribuindo para as enchentes ou, ainda, para a poluição das águas e a morte dos animais que vivem nos oceanos. E este é apenas um dos problemas que essa prática pode gerar.

Usar sacolas plásticas para carregar qualquer compra virou um hábito ou, mesmo, um vício. Por isso que mais de um bilhão de sacolas são usadas por mês só no Brasil! Vc sabia disso?

Para entender de um jeito muito fácil como isso funciona, o site Akatu Mirim*, do Instituto Akatu pelo Consumo Consciente, criou uma animação superbacana. Dá pra entender, direitinho, como são feitas e para onde vão quando jogadas no lixo…” (Leia e comente)

Anúncios

O SEMEADOR DO PONTAL DO PARANAPANEMA

28/07/2011

JEFFERSON LIMA DEDICA-SE AO PROJETO CAFÉ COM FLORESTA, DA ONG IPÊ. NO PONTAL DO PARANAPANEMA (SP), ELE ESTIMULA ASSENTADOS A FAZER O PLANTIO DE ESPÉCIES NATIVAS
NAS ÁREAS DE CULTIVO DE CAFÉ.

National Geographic – Liana John / Foto de Liana John

“Na caminhonete há uma coleção de sacos e sacolinhas, bem amarrados para não deixar escapar o precioso conteúdo. O geógrafo e técnico em agropecuária Jefferson Lima nunca volta com a mesma carga da ida. Também nunca chega ou sai de mãos abanando. Quando faz suas visitas aos assentados do Pontal do Paranapanema, no extremo oeste do Estado de São Paulo, ele é um autêntico dispersor de sementes e de mudas, um extensionista rural como poucos, integrante da equipe do Instituto de Pesquisas Ecológicas, Ipê.

Não por acaso, vários dos assentados com os quais ele trabalha o chamam de professor. Enquanto distribui suas sementes e promove trocas entre agricultores, ele vai semeando ideias, dando uma sugestão aqui; ressaltando a importância da diversidade de culturas ali; chamando a atenção para os cuidados que mantêm viva a fertilidade do solo; as formas de controlar pragas e doenças de maneira natural, sem químicos,…” (Leia e comente)

BICICLETA DE PLÁSTICO

26/07/2011

ESTUDANTE DE JERUSALÉM CRIA BIKE FEITA INTEIRAMENTE
DE MATERIAIS RECICLÁVEIS

Galileu

A estudante Dror Peleg, da Academia de Arte e Design Bezalel, em Jerusalém, desenvolveu uma bicicleta feita inteiramente (exceto os pneus) de plástico reciclado. O projeto já saiu do papel e as bicicletas de fato funcionam e estão prontas para serem produzidas. Comparada com a produção da tradicional bicicleta de metal, requer muito menos trabalho, é mais barata e sua tecnologia pode ser adaptada conforme as indústrias locais. Dror Peleg batizou sua criação de “Frii” e abaixo você pode ver algumas fotos.

MÃE DE TODOS

09/07/2011

COM PALAVRAS E GESTOS, MÃES PODEM SE TORNAR ALIADAS NA PRESERVAÇÃO DO PLANETA.

Seleções – Mariusa Colombo

“Existem mães de todos os tipos, todas especiais a seu modo. Mãe de filho único, de vários filhos; mãe da cidade, do campo, do sertão e do cerrado. Consumistas, econômicas; mães que leem sobre a sustentabilidade, mães que estão aprendendo a ler. E existe, é claro, a natureza, mãe de todos nós. Como as outras mães, ela merece o nosso afeto e dedicação.

Mesmo cientes de que se trata de mais uma data comercial, podemos aproveitar este mês de maio para mudar alguns hábitos. Fui ensinada pela minha mãe, pessoa especialíssima, a dar mais valor a palavras e gestos do que a mimos materiais. E é exatamente assim, com palavras e gestos, que as mães podem se tornar grandes aliadas na preservação do planeta – por meio da disseminação de ideias para promover equilíbrio e sustentabilidade, inspirando seus filhos para que sejam responsáveis no dia a dia.

Muitos são os bons hábitos que as mães podem incutir em seus pequenos desde cedo, mas não só isso. Podem – e devem – conversar com seus filhos sobre uso racional da energia, reaproveitamento e reciclagem, em qualquer idade.”… (Leia e comente)

BRASIL: UM PLANETA FAMINTO E A AGRICULTURA BRASILEIRA. MUITO LEGAL!

15/06/2011

O vídeo é uma homenagem da BASF ao agricultor brasileiro. Com dados tangíveis e comparações didáticas, mostra a evolução da produtividade, destacando a vocação do Brasil para a produção agrícola. O Brasil pode ajudar a alimentar o mundo e ao mesmo tempo preservar suas florestas.

ÍNDIA É O PAÍS COM O MAIOR POTENCIAL PARA COZIMENTO COM ENERGIA SOLAR

14/06/2011

TRÊS BILHÕES DE PESSOAS UTILIZAM MADEIRA, ESTERCO OU BIOMASSA COMO COMBUSTÍVEL. ESSA PRÁTICA PREJUDICA O CLIMA E CAUSA O DESAPARECIMENTO DAS FLORESTAS.
FOGÕES SOLARES PODEM ALIVIAR O PROBLEMA
– E ATÉ MESMO SALVAR VIDAS.

DW-WORLD.DE – Torsten Schäfer (mdm) / Revisão: Roselaine Wandscheer

“Após o terremoto de janeiro de 2010 no Haiti,  apenas a água fervida era realmente segura. Mas fervê-la era um problema, pois a madeira para fazer o fogo praticamente não existia ou custava muito caro. Segundo o alemão Hans Michlbauer, 97% da floresta nativa já desapareceram. “As mulheres gastam horas procurando lenha”, conta.

Ele trabalha para a EG Solar, associação responsável por projetos de cozinhas solares em todo o mundo. Não apenas no Haiti os fogões solares são úteis. Em diversos países em desenvolvimento, a tecnologia pode melhorar as condições de vida, além de contribuir com a preservação do meio ambiente. Atualmente, 17% das emissões mundiais de CO2 são produzidas no cozimento doméstico e provêm da queima de lenha, esterco ou biomassa.

Fogo de cozinha mata 1,5 milhão por ano

Três bilhões de pessoas dependem desses combustíveis. Em busca da lenha, as florestas são desmatadas, o que aumenta a erosão e contribui com a sedimentação dos rios. E a extração da madeira custa tempo – um tempo que falta para outras atividades rentáveis. Além disso, a fuligem polui o ar.

A cada inverno, uma nuvem de fumaça cobre o sul da Ásia, causada principalmente, segundo um estudo suíço, pela queima de madeira. E essa massa de ar poluído…” (Leia e comente)

OS POLITICAMENTE CORRETOS

11/04/2011

CONHEÇA ALGUNS DOS ARTISTAS DO MUNDO DA MÚSICA QUE INVESTEM EM CAUSAS SOCIAIS E ECOLÓGICAS

Bravo

“Temas que antes pertenciam a discursos dos rotulados “bichos grilos”, como preocupação com o meio ambiente, questões sobre pobreza e educação, hoje estão cada vez mais presentes na fala dos artistas. Muitos músicos passaram a dividir a sua agenda entre shows e iniciativas sociais. Conheça algumas bandas que abraçaram esta causa.

Scorpions

Em agosto de 2007, o grupo alemão de hard rock Scorpions se apresentou para cerca de 40 mil fãs no sambódromo de Manaus, no Amazonas. Em parceria com o Greenpeace, organização global e independente que atua em defesa ao meio ambiente, a apresentação visava chamar a atenção do público para os perigos do desmatamento da Floresta Amazônica – no palco, os músicos exibiram uma faixa com os dizeres: “Chega de desmatamento! Sem Amazônia não há futuro”.

No ano seguinte, a banda voltou ao Brasil em uma turnê mundial dedicada a causa, Humanity World Tour – Acoustica. Resultado dos shows, o DVD Amazônia – Live in the Jungle, que conta com as apresentações de Recife e Manaus, teve sua venda, no Brasil e México, destinada a projetos ambientais.

Jack Johnson

Em 2008, o cantor havaiano de soft rock Jack Johnson e sua esposa, Kim, fundaram, com os frutos da turnê do mesmo ano, a Johnson Ohana, organização de caridade em prol de causas ambientais, artes e educação musical. Até o momento, a Fundação já arrecadou 1,3 milhões de dólares.

Mais tarde, Johnson criou também a All At Once, uma rede social de ação que integra e levanta fundos para grupos não lucrativos. No ano passado ela recebeu 525 mil dólares angariados na turnê To The Sea. A campanha de 2010 da rede contribuiu com 220 grupos comunitários ao redor do mundo destinado a iniciativas para redução de utilização de plástico, educação ambiental,…” (Leia e comente)

MANUAL DA LIMPEZA VERDE

07/12/2010

DE RECEITAS CASEIRAS A CUIDADOS QUE PODEMOS TER NA HORA DAS COMPRAS, LISTAMOS 20 DICAS QUE AJUDAM A TRANSFORMAR A MANUTENÇÃO DA CASA EM UMA AÇÃO MAIS RESPONSÁVEL

Planeta Sustentável – Débora Spitzcovsk (Bons Fluídos)

“Uma boa maneira de começara cuidar do grande lar chamado Terra é prestar mais atenção ao pequeno planeta que é a nossa própria casa. Limpar de forma mais responsável o lugar onde moramos não exige mudanças drásticas. É apenas uma questão de hábito. Com um pouco de bom senso, podemos privilegiar, entre a avassaladora oferta de produtos que abarrotam as prateleiras dos supermercados, itens que, de alguma maneira, seguem os preceitos da sustentabilidade. Já existem, por exemplo, fórmulas de sabão em pó e higienizadores multiúso propositalmente mais concentradas, ou seja, que necessitam de menor quantidade de água para dar os efeitos desejados.

Sem falar nos artigos acondicionados em embalagens mais compactas e, em alguns casos, recicláveis, iniciativa que reduz o desperdício de matéria-prima e o acúmulo de lixo. Por outro lado, ainda não há no país nenhum parâmetro oficial que classifique os produtos de limpeza como 100% sustentáveis. Essa avaliação deveria levar em conta todos os estágios envolvidos na fabricação — extração da matéria-prima, processo de produção, transporte, uso e descarte. Logo, o ideal é que o consumidor fique atento aos selos de certificação impressos nas embalagens. Eles atestam o cumprimento de, pelo menos, alguns desses critérios. Outra maneira de introduzir no lar a faxina amigável é copiar os truques usados…” (Leia e comente)

MESTRA DA SUSTENTABILIDADE

24/11/2010

DEPOIS DE PRATICAR O CONSUMO CONSCIENTE E PREFERIR UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL, QUAIS SERIAM OS PASSOS EM
DIREÇÃO A UMA VIDA MAIS EQUILIBRADA?

Vida Simples – Liane Alves / Foto: Paulo Freitas

“Simone Ramounoulou é uma daquelas profissionais cujo currículo já dá a estatura de sua atuação como instrutora de temas relativos ao meio ambiente e ao desenvolvimento da consciência como um todo. Consultora em vários projetos internacionais, é diretora-executiva no Brasil da World Business Academy, que congrega empresários e executivos do mundo todo, do Institute of Noetic Sciences, mais centrado nas possibilidades da mente e da consciência, do Clube de Budapeste e dos Encontros da Rede Global de Educação para a Paz – Construindo uma Cultura Planetária, um programa feito em parceria com a Unesco.

Brasileira, simpática e firme em suas posições, Simone é filha de pai francês e mãe italiana. Estudou em Genebra na primeira escola de cultura global ligada à ONU e seu trabalho hoje é justamente ministrar cursos e implantar programas na área de educação e conscientização da realidade ambiental do planeta. Seu trabalho é desenvolvido na William Harmann House do Brasil, que fica no Espaço Antakarana, em São Paulo, do qual ela é uma das cofundadoras. Atualmente, ela é também coordenadora-geral do programa sueco The Natural Step (O Passo Natural),…” (Leia e comente)

ALI SE FAZ, AQUI SE PAGA – AS QUEIMADAS E A SECA NA AMAZÔNIA

18/11/2010

National Geographic – Rodrigo Baleia

“Enquanto estava editando as imagens da seca que atingiu níveis recordes na Amazônia, pensava o quanto esse seria mais um post com imagens apocalípticas da região, como o que havia feito sobre as queimadas.

Então, vejo um sinal de e-mail recebido no canto da tela do computador. Ao abri-lo, vem o link de uma notícia publicada no site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), que reproduzo a seguir:

Depois de dois anos, aerossóis de queimadas aumentam na Amazônia

09/11/2010

A emissão de aerossóis, fuligem de queimadas em suspensão na atmosfera, aumentou significativamente na Amazônia em relação aos dois últimos anos (2008 e 2009). A constatação é do grupo de pesquisa de Qualidade do Ar, do CPTEC/INPE. Os aerossóis são emitidos pelas queimadas, produtos da queima da biomassa, com maior incidência nos meses de agosto e setembro. O pesquisador do CPTEC, Saulo Freitas, explica que as emissões de queimadas das regiões centrais e norte do País teriam migrado neste período para o oeste e noroeste da Amazônia,…” (Leia, comente e veja mais fotos)