Posts Tagged ‘Qualidade de Vida’

MUITO TRABALHO? SIMPLES AÇÕES PODEM ATENUAR O CANSAÇO

24/03/2011

“Eu sei que se eu lhe disser para diminuir seu ritmo de trabalho, algo em você vai resistir, se justificar, dar mil explicações convincentes dizendo que isso não é possível. Então eu lhe direi… ok, deixe o trabalho como está, mas procure abrir uma brecha na sua vida, uma brechinha para um lugar onde você se sinta mais real. Muitas vezes basta um pequeno passo fora do script para que um novo ar preencha nossos pulmões”

Vya Estelar Patricia Gebrim

“Ultimamente tenho percebido um denominador comum nas pessoas com as quais convivo e trabalho. Estar em um contato tão próximo das pessoas me permite, vez ou outra, perceber sentimentos comuns a muitos, como se eu pudesse enxergar uma onda invisível que carrega a todos por onde passa. As pessoas não percebem que não estão sós enquanto são arrastadas por essa onda infernal.

Atualmente tenho percebido a existência de uma onda que gera nas pessoas um pesado e pegajoso cansaço. Uma onda na qual o trabalho anda tomando conta de tudo. As pessoas estão exaustas e chegam ao final do dia como se todo o seu sangue tivesse sido sugado de suas veias. O cansaço é tanto que muitas vezes não sobra energia para desfrutar a vida familiar, os amigos ou para se ter algum lazer. Chegam em casa se arrastando e o melhor que conseguem é trocar os canais da TV no controle remoto.

Claro que ninguém quer viver assim, mas a maioria das pessoas parece estar aprisionada nesse labirinto onde o trabalho, como naqueles espelhos engraçados que alteram o nosso tamanho, ganhou proporções assustadoras. O trabalho se tornou um monstro que engole a tudo e a todos que dele se aproximam. Um enorme buraco negro que suga sem dó todos…” (Leia e comente)

Anúncios

QUALIDADE DE VIDA NA MEDIDA (IN)CERTA

10/06/2010

Com Ciência – Márcio Derbli

“Quando assistimos TV, ouvimos rádio ou lemos um jornal, somos expostos constantemente a anúncios publicitários prometendo melhorar ou manter nossa qualidade de vida. É a margarina que torna sua vida mais saborosa, o carro que te dá mais sensação de conforto ou o condomínio residencial que garante um invejável estilo de vida para toda a sua família. Mas, afinal, que qualidade de vida é essa? Será que apenas a capacidade de consumo pode garanti-la? Como se constrói esse conceito e como medi-lo a contento?

Apesar de registros do termo, na literatura médica, desde a década de 1930, não existe ainda um consenso sobre seu significado, e pesquisadores de diversas áreas têm discutido como definir o conceito. A Organização Mundial da Saúde (OMS), por exemplo, definiu qualidade de vida, em 1990, como “a percepção do indivíduo de sua posição na vida no contexto da cultura e sistema de valores nos quais ele vive e em relação aos seus objetivos, expectativas, padrões e preocupações”. Nessa definição, são incluídos seis domínios principais: saúde física, estado psicológico, níveis de independência, relacionamento social, características ambientais e padrão espiritual. Uma definição mais antiga, de 1974, feita por pesquisadores americanos, relacionando qualidade de vida à saúde,… (Leia e comente)

QUEM É VOCÊ? DESPERTE-SE PARA SUA VERDADEIRA NATUREZA

30/05/2010

DESCUBRA COMO O AUTOCONHECIMENTO PROFUNDO
CONTRIBUI NA AUTOCONFIANÇA

Vya Estelar – Patricia Gebrim

“A vida é surpreendente… vez ou outra, quando menos esperamos, nos presenteia com um de seus movimentos feitos da mais pura poesia.

Talvez nem todos se deem conta disso, eu sei. Muitos de nós somos diariamente tragados por uma correnteza interminável de obrigações e afazeres que acaba levando com ela o que temos de mais precioso, a nossa alma. Uma observação: quando digo “alma” não me refiro a nenhum conceito esotérico ou religioso. Quando digo “alma” me refiro àquela parte de nós que sabe que existe um sentido maior para essa nossa existência do que trabalhar, pagar contas, comer e contar os dias até que possamos viajar por alguns dias para um “resort” bacana durante as tão sonhadas férias.

É a “alma” em nós que nos permite seguir pela vida sem nos perdermos da inocência da criança que fomos um dia. É claro que é necessário que percamos um bom tanto da ingenuidade para viver em um mundo como o que vivemos. Mas a inocência… ah! a inocência!!!… essa nunca deveria ser deixada para trás!…” (Leia e comente)

BRASÍLIA VAI SEDIAR 12ª JORNADA BRASILEIRA DE QUALIDADE DE VIDA

17/05/2010

CorreioWeb – Admita-se

“Entre os dias 26 e 28 de maio, o Instituto Brasileiro de Qualidade de Vida (IBQV) realizará, em Brasília, a 12ª edição da Jornada Brasileira de Qualidade de Vida. Este ano, o evento terá como tema “Saúde, Qualidade de Vida e Direitos Humanos: Reflexões para a Construção da Cidadania”. O objetivo é estimular a reflexão e a criação de uma consciência sobre qualidade de vida e bem-estar em todos os âmbitos da existência dos indivíduos e da sociedade.

Em 2010, o evento inspira-se no artigo 1º da Declaração Universal dos Direitos Humanos: “Todas as pessoas nascem livres e iguais em dignidade e direitos. São dotadas de razão e consciência e devem agir em relação umas as outras com espírito de fraternidade”.

Junto com o evento, acontece também o 7º Fórum de Qualidade de Vida no Setor Público, cujo tema será “Saúde e Qualidade de Vida nas Organizações Públicas: Políticas para a Sustentabilidade”. Nele, serão discutidas…” (Leia e comente)

VEÍCULOS OU PESSOAS?

18/03/2010

POLUIÇÃO, BARULHEIRA, ACIDENTES, CONGESTIONAMENTOS: PARECE SER ESSE O DESTINO SINISTRO DOS GRANDES CENTROS URBANOS. DESAFIO PARA GESTORES, A CRIAÇÃO DE SISTEMAS DE TRANSPORTE SUSTENTÁVEIS FOI DESTAQUE NA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE CIDADES INOVADORAS, QUE ACONTECEU
EM CURITIBA NA SEMANA PASSADA.

Ciência Hoje – Henrique Kugler

“O caos urbano é iminente. Segundo previsões otimistas, em 2030 teremos mais de dois bilhões de carros circulando em todo o mundo. Diante disso, nasce um dilema: devemos planejar nossas cidades para veículos ou para seres humanos? Essa foi uma das questões debatidas durante a Conferência Internacional de Cidades Inovadoras (CICI 2010), realizada em Curitiba entre 10 e 13 de março.

O presidente do Centro de Transporte Sustentável (CTS-Brasil), Luis Antonio Lindau, disse que o caminho para sairmos dessa enrascada passa por três etapas: desestimular o uso do automóvel, melhorar o transporte coletivo e incentivar o transporte não motorizado.

“O pedágio urbano é com certeza um excelente começo”, disse Lindau, doutor em transportes pela Universidade de Southampton, Inglaterra, e professor do Departamento de Engenharia de Produção e Transportes da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. “Essa é uma medida impopular, mas pode ser a solução mais eficiente para melhorar o trânsito nas grandes cidades”,…” (Leia e comente)

MELHORE A SUA VIDA COM GRATIDÃO

07/03/2010

A PARTIR DE HOJE

Seleções – David Hochman

“No primeiro dia do Mês da Gratidão que estipulei para mim mesmo, o meu filho de 5 anos acordou “entediado” às 5h15 da manhã, vi uma multa por excesso de velocidade na bolsa da minha mulher e o aquecedor deu o último suspiro na hora em que entrei no banho. Em geral, eu começaria a resmungar e o dia teria um péssimo início. Mas aquele dia foi diferente. Como são lindas as covinhas do meu filho, mesmo nessa hora infeliz. Como é encantador o espírito aventureiro da minha mulher. Faltam apenas 29 dias.

Uma semana antes, enquanto brigava com a sensação de que viera ao mundo para encher e esvaziar a lavadora de pratos, decidi que já era hora de dar fim aos resmungos automáticos. Mas não eram apenas as pequenas coisas que me atormentavam. De repente, os meus amigos vinham enfrentando adversidades: câncer, divórcio, demissão. Eu não deveria comemorar minha relativa boa sorte?

Já ouvira falar do benefício da gratidão. O que não entendia direito era como passar da rabugice à alegria transbordante. Em busca de dicas,…” (Leia e comente)

POEMA DA GRATIDÃO, DE AMÉLIA RODRIGUES


AVANÇOS TECNOLÓGICOS E “QUALIDADE DE VIDA”

07/02/2010

” NÃO SE TRATA, AQUI, DE UM DISCURSO CONTRÁRIO AOS AVANÇOS TECNOLÓGICOS. REPITO, ELES SÃO CONSTRUÇÕES QUE PODEM TORNAR NOSSAS VIDAS MUITO MELHORES. MAS EM SI,
NÃO SÃO BONS NEM MAUS. PRECISAMOS OBSERVAR
O USO QUE FAZEMOS DELES”

Vya Estelar – Monica Aiub

“A inovação tecnológica nos traz benefícios, conforto, “qualidade de vida”; é, de um lado, um grande bem produzido pela humanidade.

Viver em alta velocidade, com o respaldo de tal tecnologia parece ser o “sonho de consumo” da atualidade, ao mesmo tempo em que, a cada dia, tornam-se “luxos” o tempo, o silêncio, a simplicidade, o natural, o necessário. Criamos tecnologias que simulam espaços existenciais de convívio, talvez porque não mais os tenhamos em nosso cotidiano; criamos tecnologias que simulam nossas sensações, será que o fazemos pelo mesmo motivo?

Criamos nossos avatares, nos protegemos e nos mostramos através deles. Vivemos através deles também? Conhecemos o outro por interfaces, adentramos, por convite ou invasão, à sua privacidade, ao mesmo tempo em que, talvez, já tenhamos abandonado a possibilidade de alguma privacidade em nossas formas de vida. Conhecemos o outro ou nos limitamos a faces das interfaces? Obtemos a superficialidade das imagens em nossas telas,…” (Leia e comente)

POVO SEM FRONTEIRAS

23/01/2010

BONFIM, EM RORAIMA, E LETHEM, NA GUIANA, VIVEM UM INTERCÂMBIO CULTURAL QUE EXTRAPOLA TRATADOS INTERNACIONAIS E FEITOS DA ENGENHARIA.

National Geographic – André Julião / Foto: Érico Hiller

“Michael Jackson está vivo, vivíssimo. Ele mora em Lethem, mas todos os dias vai à escola em Bonfim. Fala inglês com o pai, o guianense Billiey Jackson, e português com a mãe, a brasileira Rufina. Assim como seus irmãos, Joshua e Wanderson, ele cumprimenta os colegas de classe em português e os vizinhos em inglês. Michael é um típico morador da fronteira entre o Brasil e a Guiana; filho de um território que formalmente faz parte de dois países, mas que na prática é uma terra só – onde se falam português, inglês, crioulo, wapixana e macuxi. Onde as orações são para Jesus, Alá ou Brahma.

Bonfim e Lethem são duas cidades que compartilham do isolamento do restante de seus respectivos países – uma ao norte do Brasil, em Roraima; a outra no sul da Guiana. Em abril de 2009, a última barreira entre elas foi transposta com a abertura de uma ponte. A obra, financiada pelo governo brasileiro, deu passagem livre a quem precisava pagar para cruzar o rio Tacutu para tarefas simples como estudar ou fazer compras. Por mais que a população das duas cidades – pouco mais de 10 mil em Bonfim – já estivesse acostumada a conviver com o português e o inglês, o real e o dólar guianense, só agora existe uma ligação concreta do Brasil com o único país de língua inglesa da América do Sul…” (Leia e comente)

DE FAVELADO A DONO DE CASA PRÓPRIA

28/09/2009

casa propria

“UM ESTUDO INÉDITO REVELA COMO A DISTRIBUIÇÃO DE TÍTULOS DE PROPRIEDADE AOS MORADORES MELHORA A VIDA DOS POBRES”

Época – Ricardo Mendonça

“Que diferença faz entregar um título de propriedade ao morador de uma favela? Uma das ideias mais repetidas por urbanistas e gestores de programas sociais é que, com o documento em mãos, o morador pobre amplia seu acesso a linhas de financiamento, já que a casa onde mora passa a valer como garantia. Com isso, consegue investir mais no imóvel, aumentar o consumo e começar um pequeno negócio. Uma tese de doutorado recém-concluída pelo economista Maurício Moura mostra que os benefícios da regularização fundiária vão além do ingresso do pobre no mercado financeiro. “Quando regulariza a moradia, a pessoa passa a trabalhar mais, amplia sua renda e ainda liberta os filhos do trabalho infantil”, diz. Moura apresentou essa tese à Fundação Getúlio Vargas de São Paulo e à George Washington University, nos Estados Unidos, onde mora atualmente…” (Leia mais e comente a matéria)

ACEITAR É COMEÇAR A SER FELIZ

25/09/2009

ser feliz

“ACEITAÇÃO NÃO É COMODISMO OU FUGA, O ATO DA ACEITAÇÃO EQUIVALE A ENVOLVER COM AMOR PROFUNDO OS FATOS QUE NÃO PODEMOS ALTERAR E ENCARÁ-LOS COMO CIRCUNSTÂNCIAS
A SEREM VIVENCIADAS E VENCIDAS PARA O
FORTALECIMENTO DO NOSSO SER”

Vya Estelar – Carlos Hilsdorf

“Há momentos na vida, onde tudo parece estar perfeito, maravilhoso, melhor que o sonhado. Muitos desses momentos têm continuidade e nos permitem experimentar esta sensação de alegria profunda e realização, outros não. Alguns desses momentos são subitamente interrompidos por causas inesperadas, fatos inusitados e circunstâncias inimagináveis.

Uma amiga acaba de perder o bebê aos dois meses de gestação. Somente as mães compreendem em profundidade a dor oriunda de uma situação como essa. Nós exercitamos a empatia e imaginamos o que significa, mas por mais que nos sensibilizemos não podemos experimentar a mesma dor.

É conhecida a frase: a dor é inevitável, o sofrimento opcional. Nessas circunstâncias não é bem assim; para uma mãe ou futura mamãe que perde um filho em gestação, o sofrimento não é opcional, é uma realidade inevitável. Nessas circunstâncias, a frase deve ser adaptada para: “a dor é inevitável, a forma de enfrentar o sofrimento é opcional!”…” (Leia mais e comente a matéria)