Posts Tagged ‘Relacionamento’

SEXO: MELHOR DO QUE VOCÊ IMAGINA

04/05/2012

ACREDITAMOS QUE VOCÊ NÃO PRECISA SER CONVENCIDO DE QUE SEXO É BOM, MAS PODE SER MELHOR DO QUE VOCÊ IMAGINA

Menshealth

“Acabar com doenças, dormir melhor, gozar e se sentir o rei do sexo oral! Com esses motivos você vai curtir (ainda mais) fazer sexo…

Sexo contra resfriado

Que vacina, que nada. Pesquisadores da Universidade Wilkes (EUA) descobriram que transar pelo menos duas vezes por semana eleva em 20% os níveis de imunoglobina A, anticorpo que protege contra resfriados e outras infecções por vírus e bactérias.

Para ficar melhor ainda. “A chave para turbinar esses anticorpos naturais é intensidade e prazer, portanto mexa-se e experimente o máximo de posições possível”, sugere Paula Hall, terapeuta sexual da Relate, instituição britânica que oferece consultoria em relacionamentos. “Tente a posição da tesoura: você fica de pé, ela deitada na beirada da cama de frente para você e com os tornozelos nos seus ombros. Durante a penetração, abra e feche as pernas dela (como se fossem uma tesoura), cruzando-as quanto fechadas a fim de segurar seu pênis dentro dela.” Se a doutora falou…

Durma feito criança

A química pós-sexo tem o poder de uma canção de ninar. “Durante o orgasmo, o corpo produz ocitocina, hormônio que induz ao sono”, observa o ginecologista e terapeuta sexual Amaury Mendes Júnior, do Rio de Janeiro. “Não há dúvida de que o sexo ajuda a combater a insônia” … (Leia e comente)

Anúncios

CRÔNICA DO AMOR

30/08/2010

Pensador.Info – Arnaldo Jabor

“Ninguém ama outra pessoa pelas qualidades que ela tem, caso contrário os honestos, simpáticos e não fumantes teriam uma fila de pretendentes batendo a porta.

O amor não é chegado a fazer contas, não obedece à razão. O verdadeiro amor acontece por empatia, por magnetismo, por conjunção estelar.

Ninguém ama outra pessoa porque ela é educada, veste-se bem e é fã do Caetano. Isso são só referenciais.

Ama-se pelo cheiro, pelo mistério, pela paz que o outro lhe dá, ou pelo tormento que provoca.

Ama-se pelo tom de voz, pela maneira que os olhos piscam, pela fragilidade que se revela quando menos se espera.

Você ama aquela petulante. Você escreveu dúzias de cartas que ela não respondeu, você deu flores que ela deixou a seco.

Você gosta de rock e ela de chorinho, você gosta de praia e ela tem alergia a sol, você abomina Natal e ela detesta o Ano Novo, nem no
ódio vocês combinam. Então?…” (Leia e comente)

QUALIDADE DE VIDA NA MEDIDA (IN)CERTA

10/06/2010

Com Ciência – Márcio Derbli

“Quando assistimos TV, ouvimos rádio ou lemos um jornal, somos expostos constantemente a anúncios publicitários prometendo melhorar ou manter nossa qualidade de vida. É a margarina que torna sua vida mais saborosa, o carro que te dá mais sensação de conforto ou o condomínio residencial que garante um invejável estilo de vida para toda a sua família. Mas, afinal, que qualidade de vida é essa? Será que apenas a capacidade de consumo pode garanti-la? Como se constrói esse conceito e como medi-lo a contento?

Apesar de registros do termo, na literatura médica, desde a década de 1930, não existe ainda um consenso sobre seu significado, e pesquisadores de diversas áreas têm discutido como definir o conceito. A Organização Mundial da Saúde (OMS), por exemplo, definiu qualidade de vida, em 1990, como “a percepção do indivíduo de sua posição na vida no contexto da cultura e sistema de valores nos quais ele vive e em relação aos seus objetivos, expectativas, padrões e preocupações”. Nessa definição, são incluídos seis domínios principais: saúde física, estado psicológico, níveis de independência, relacionamento social, características ambientais e padrão espiritual. Uma definição mais antiga, de 1974, feita por pesquisadores americanos, relacionando qualidade de vida à saúde,… (Leia e comente)

GERAÇÃO ZAPPING: TÁ LIGADO?

22/01/2010

CRIANÇAS E JOVENS ESTÃO DESCOBRINDO NOVAS MANEIRAS DE ENTENDER O MUNDO E SE RELACIONAR COM BASE EM AVANÇOS TECNOLÓGICOS E TRANSFORMAÇÕES CULTURAIS

Mente e Cérebro Erane Paladino

Televisão, telefone, fone de ouvido, computador, MP3, Orkut, Twitter, Facebook, MSN, SMS. A conexão é on-line e os estímulos vêm de toda parte. No monitor do laptop ou no visor do celular incontáveis telas são abertas, reduzidas e fechadas em segundos. Surge uma nova linguagem, na qual a grafia das palavras é adaptada, simplificada, e prevalecem abreviações. A informação chega descontextualizada e truncada, inaugurando um novo jeito de compreender o mundo – e se relacionar, na horizontalidade do conhecimento – e caracterizando a chamada geração zapping (expressão de origem inglesa que se refere ao ato de mudar constantemente de canal).

Surge assim um novo jeito de pensar, graças à síntese de vários dados coletados de forma imediata e simultânea. O zapping tipifica justamente essa relação intensa e aparentemente inesgotável. Fragmentados os corpos, a informação e as relações, os jovens ficam à mercê dos estímulos, sem tempo para a introspecção e assimilação do bombardeio de conteúdos. O apelo ao mundo externo é intenso e vem de todos os lados…” (Leia e comente)

ELA QUER APRENDER COISAS NOVAS. “ELE JÁ APRENDEU”.

09/09/2009

previsivel

Época – Ruth de Aquino

“Era uma festa de quarentões. A conversa enveredou por viagens. Eu tinha ido a Maceió com meu namorado. Eu o sequestrei para uma pousada na Rota Ecológica de Alagoas, a 100 km da capital. Um paraíso. Mas meu homem não ficou tão extasiado quanto eu. Com o ócio, os coqueirais, o vento que leva à indolência, as piscinas naturais, a desconexão da realidade, tapioca, as conversas com os pescadores e as jangadas. Afinal…praia por praia, nós temos tantas no litoral do Rio, disse. Mais perto. Búzios. Sem pegar avião, depois estrada por duas horas. Mais cômodo. Normal. Normal?

Imediatamente, criou-se uma divisão na festinha. Dois times. As mulheres de um lado. Os homens do outro. Como se fosse uma queda-de-braço filosófica ou existencial. Mas com humor, risos e piadinhas de casais que aparentemente se amam…” (Leia mais e comente a matéria)